Terapia com hormônios pós-menopausa aumenta risco de infarto (estudo)

Mulheres tratadas com hormônios em terapias para a pós-menopausa correm mais risco de sofrer um infarto, revela um estudo publicado na segunda-feira no Archives of Internal Medicine.

AFP |

As mulheres que se tratam com estrogênio têm até 39% mais risco de sofrer um infarto que as não expostas a esta terapia, destaca o estudo, que também observa que o perigo aumenta com a quantidade do hormônio.

Para as mulheres que tomam uma combinação de estrogênio com progestina, uma forma sintética da progesterona, o incremento do risco de infarto foi de 37%, segundo os pesquisadores.

"O aumento do perigo do infarto foi observado tanto em mulheres que começaram a terapia hormonal mais cedo como entre as que a iniciaram próximo a menopausa ou em idades avançadas, até mais de dez anos após a menopausa", destaca Francine Grodstein, do Brigham and Women's Hospital e da Escola Médica de Harvard.

A pesquisa não encontrou um risco claro entre as mulheres que tomaram hormônio durante menos de cinco anos quando eram mais jovens, o que pode ser explicado pelo pequeno número destes casos.

O estudo envolveu 121.700 mulheres com entre 30 e 55 anos, de 1976 a 2004, e constatou 360 casos de infarto entre as que não receberam hormônios, contra 414 entre as submetidas à terapia hormonal.

Leia mais sobre: infarto

    Leia tudo sobre: infartomenopausa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG