Tensão entre Judiciário e Executivo tem novo capítulo na Colômbia

Bogotá, 12 nov (EFE).- O presidente da Corte Suprema de Justiça da Colômbia (CSJ), Javier Ricaurte, advertiu hoje que não irá a atos públicos em que esteja presente o chefe do Estado Álvaro Uribe, ao se negar a ser revistado por seguranças do mandatário.

EFE |

Segundo Ricaurte, "é degradante" para qualquer magistrado ou para o próprio presidente da CSJ este tipo de revista por parte de guarda-costas.

O incidente aconteceu quando Ricaurte tentou entrar em uma cerimônia na Escola de Polícia no sul de Bogotá, que celebra hoje 107 anos de sua fundação.

A segurança de Uribe pediu uma revista total do veículo, o que o juiz da Suprema Corte não deixou acontecer.

Ricaurte, visivelmente incomodado com a situação, se retirou do local e anunciou à imprensa que não voltará a ir a atos em que Uribe estiver presente.

As relações entre o Executivo e o Poder Judiciário na Colômbia se viram complicadas em várias ocasiões nos últimos dois anos.

Uribe acusou os magistrados de terem certas ideologias tendenciosas, e inclusive, em algumas ocasiões acusou um deles de oferecer benefícios a um paramilitar para dizer que o governante esteve envolvido em um massacre.

A corte, por sua parte, acusou o Executivo, em junho passado, de "suborno" na aprovação do congresso em 2005 da emenda que permitia Uribe tentar a reeleição em 2006. EFE rrm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG