Tensão e falta de notícias sobre execução de britânico na China

Pequim, 29 dez (EFE).- Muita tensão e falta de informações nos momentos que antecedem a execução do cidadão britânico Akmal Shaikh, que pode se transformar hoje no primeiro europeu executado na China em quase 60 anos.

EFE |

A execução a princípio estava prevista para as 10h30 no horário local (0h30 pelo horário de Brasília), mas até agora não há confirmação oficial de sua realização ou não.

Shaikh, de 53 anos, casado e pai de três filhos, recebeu na quinta-feira a notícia de que seria executado hoje em Urumqi (noroeste da China), segundo informou a ONG Reprieve.

O britânico foi preso em 2007, portando quatro quilos de drogas, e condenado à morte um ano depois, já que a lei chinesa prevê pena capital para qualquer pessoa que seja flagrada com mais de 50 gramas de entorpecentes.

A Embaixada do Reino Unido em Pequim afirmou à Agência Efe que, por enquanto, não tem mais informações além das publicadas pelas agências oficias chinesas e daquelas recebidas pelos familiares do réu. Dois primos de Saikh foram a Urumqi para pedir clemência.

O Tribunal Popular Intermédio de Urumqi, encarregado de aplicar a pena capital, não dispõe de contatos telefônicos. EFE abc/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG