Tempestade tropical Dolly pode virar furacão e atingir Texas

NOVA YORK (Reuters) - A tempestade tropical Dolly encontrava-se nesta segunda-feira sobre as águas quentes do golfo do México e pode se transformar em um furacão até o dia seguinte, afirmou em seu relatório mais recente o Centro Nacional de Furacões (NHC), um órgão dos EUA. A Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos (EIA, na sigla em inglês) afirmou também nesta segunda-feira que a trajetória do Dolly se desviaria das principais áreas de produção de petróleo da costa dos EUA e México.

Reuters |

Outros modelos de previsão mostram que a tempestade cruzará a parte oeste do golfo e atingirá a região costeira do sul do Texas na quarta-feira.

Alguns modelos indicam que o furacão chegaria à terra firme perto da fronteira do Texas com o México. Já outros colocam o Dolly atingindo uma área localizada mais ao norte, perto de Corpus Christi (ainda no Texas).

Um alerta para furacões foi lançado na região costeira do Estado norte-americano entre Brownsville e Port O'Connor. A medida significa que um furacão pode chegar a essa área, geralmente dentro das próximas 36 horas.

Um alerta para tempestades tropicais está em vigor no litoral do Texas, entre Port O'Connor e San Luis Pass, disse o NHC.

O Dolly deslocava-se oeste-noroeste a quase 29 quilômetros por hora. Os meteorologistas prevêem uma pequena queda na velocidade de avanço e uma pequena mudança de direção nos próximos dois dias. A formação deve aproximar-se da costa norte-americana do oeste do golfo do México na quarta-feira.

Atualmente, a velocidade máxima dos ventos sustentáveis do Dolly eram de 80 quilômetros por hora, com rajadas mais fortes.

O NHC também divulgou alertas para a tempestade tropical Cristobal, localizada atualmente a 300 quilômetros leste-nordeste do cabo Hatteras (Carolina do Norte), e monitorava uma grande e bem definida onda tropical localizada perto do extremo oeste da África.

O órgão disse que a onda poderia provocar algum outro fenômeno quando chegar ao leste do Atlântico, dentro de um dia mais ou menos.

Os mercados de combustível observam com nervosismo as tempestades que poderiam ingressar no golfo do México ameaçando as instalações norte-americanas de produção de petróleo e gás.

A Shell Oil Co afirmou ter começado a retirar funcionários de suas plataformas do oeste do golfo no domingo, por causa do Dolly. A empresa disse que a medida não havia prejudicado a produção.

Os mercados de commodities também observam as tempestades que poderiam atingir plantações como as de algodão no Texas e as de laranja na Flórida.

(Por Eileen Moustakis)

REUTERS FE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG