México, 25 ago (EFE).- A tempestade tropical Julio atravessa hoje a península da Baja California (noroeste do México), onde parte da região continua sob alerta vermelho devido ao fenômeno, que causou fortes chuvas em alguns pontos e levou a evacuação de três0 mil pessoas.

O Sistema Nacional de Defesa Civil (Sinaproc) informou hoje que somente as zonas norte e centro do estado da Baja California Sur se mantêm no nível máximo de alerta. Já na faixa sul do estado, por onde entrou a tempestade, já baixou para laranja (perigo alto).

O diretor de Defesa Civil de Baja California Sur, José Gastón, explicou à Agência Efe que a zona sul do estado foi a mais afetada, mas que ao meio-dia de hoje tudo ficou "sob controle".

"O pior já passou", disse Gastón, que esta manhã realizou uma avaliação de alguns danos em estradas e em outras infra-estruturas do estado.

Nas últimas horas, três mil pessoas foram evacuadas "em todo o estado", a maioria delas em zonas rurais ou próximas aos municípios de La Paz, Loreto e Los Cabos.

Gastón disse que as medidas foram tomadas por "proteção prévia" a possíveis danos que suas casas pudessem sofrer.

A Defesa Civil pediu que se mantenha "máxima atenção" nas regiões litorâneas da Baixa Califórnia, onde no extremo sul está uma área turística que tem Los Cabos como destino mais atrativo, especialmente para os americanos.

Nas próximas horas, a tempestade tropical varrerá a península e se deslocará sobre águas do mar de Cortés, aonde poderia chegar já como depressão.

"Isso acontecerá na tarde ou na noite de hoje", disse à Agência Efe o meteorologista Marco Lugo, do Serviço Meteorológico Nacional (SMN) do México.

Em seu boletim das 14h local (16h de Brasília), o órgão disse que "Julio" se movimenta a 22 km/h rumo a norte-noroeste acompanhado de ventos de 65 km/h e rajadas de até 85 quilômetros.

Até agora, as maiores precipitações chegaram a 166 litros por metro quadrado na localidade de Loreto, no litoral oriental da península.

A tempestade se localizava 25 quilômetros ao sul-sudeste de Santa Rosalía, no estado de Baja California Sur.

Por isso, o SMN mantém um índice de risco "moderado" no litoral de Baja California Sur e uma região de alerta entre Puerto de San Andresito e a baía de Los Angeles.

Além disso, na região oriental de Sonora, estado do noroeste mexicano, que faz fronteira com o Arizona, se estabeleceu uma zona de alerta desde a localidade de Guaymas até Puerto Libertad, em uma faixa de aproximadamente 300 quilômetros.

Neste caso, para o SMN, o principal problema pode ser as chuvas das próximas horas nos estados de Baja California, Sinaloa, Sonora e no oeste de Chihuahua.

Em terra, as previsões apontam que poderia haver precipitações de até 150 litros por metro quadrado em algumas comunidades, que podem aumentar até 250 litros em regiões montanhosas, o que "provocaria inundações e deslizamentos de terra".

Por isso, foi pedido "à população em geral e à navegação marítima que tomem máximas precauções diante da presença de chuvas, ventos e ressaca moderadas".

As autoridades do México previram que este ano serão registrados no país 28 ciclones tropicais, dos quais 14 se transformarão em furacões. Destes, cinco apresentarão alta periculosidade com níveis de 3, 4 e 5 graus na escala de Saffir-Simpson.

Este ano, a temporada de ciclones tropicais começou em 15 de maio e terminará em 30 de novembro. Nela, se esperae um maior nível de precipitação pluvial que nos últimos anos. EFE act/rb/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.