Tempestade Katia é elevada para a categoria de furacão

Segundo centro de monitoramento americano, é cedo para prever se fenômeno atingirá o continente

iG São Paulo |

A tempestade tropical Katia foi elevada para o núvel de furacão na quarta-feira, com ventos de até 120 km/h sobre o Atlântico. Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos, Katia pode ganhar força até o fim de semana, mas é cedo para prever se atingirá o continente.

AP
Imagem de satélite mostra furacão Katia no Atlântico

De acordo com o último boletim do NHC, divulgado às 6h (horário de Brasília), o furacão estava localizado 1.710 quilômetros ao leste das Pequenas Antilhas, deslocando-se para oeste a 32 km/h. Segundo o centro, ainda não é possível dizer se o Katia chegará aos EUA, mas é possível que passe pelo norte do Caribe.

A temporada de furacões do Atlântico, que vai de junho a novembro, costuma registrar entre 11 e 12 tempestades. A Katia já é a 11 a e o segundo furacão da temporada. O primeiro, Irene , causou sérios danos e mais de 40 mortes na costa leste dos EUA.

O NHC também afirmou nesta quinta-feira que um sistema de baixa pressão que se desloca no sentido noroeste através do Golfo do México tem grandes chances de se tornar um ciclone tropical nos próximos dois dias e ameaçar os Estados norte-americanos na costa norte do golfo.

O sistema, que agora está na região central do golfo, já levou algumas das grandes companhias internacionais de petróleo a retirar seus trabalhadores de plataformas marítimas.

O centro de monitoramento, sediado em Miami, disse que a área de baixa pressão estava produzindo grandes áreas de nuvens, tempestades e fortes ventos ao se deslocar lentamente para o noroeste. "O sistema tem 70% de chances de se tornar um ciclone tropical durante as próximas 48 horas", disse o NHC.

Alguns modelos computadorizados mostraram o sistema em desenvolvimento, que vai se chamar Lee se de fato evoluir para uma tempestade tropical, passando pelo litoral do Texas e de Louisiana. O Texas está enfrentando atualmente graves secas, e eventuais chuvas provocadas pelo sistema poderiam trazer algum alívio à região.

Com Reuters e AP

    Leia tudo sobre: katiafuracãotempestadeeuaireneatlântico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG