Tempestade de neve castiga Costa Leste dos EUA

Por David Morgan WASHINGTON (Reuters) - Uma violenta tempestade de neve atinge o centro da Costa Leste dos EUA na sexta-feira, ameaçando quebrar o recorde de precipitação de neve numa região muito dependente do petróleo e do gás para a calefação doméstica.

Reuters |

Há previsão de 50 a 76 centímetros de neve e visibilidade baixa entre a Virginia e o sul de Nova Jersey, o que levou órgãos públicos na região de Washington a fecharem quatro horas antes do normal.

O presidente Barack Obama, que em outras ocasiões fez graça com a reação em Washington a pequenas quantidades de neve, desta vez está levando a tempestade a sério. "Acho que até um havaiano transplantado para Chicago (cidade muito fria) tem suficiente respeito por uma previsão de quase dois pés (61 centímetros) de neve", disse Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca.

"E, sendo do Alabama, tenho a satisfação de lhes informar que irei sair da estrada para assistir todos vocês tentando dirigir", brincou Gibbs com os jornalistas.

Os museus Smithsonian e o Zoo Nacional ficarão fechados no sábado na capital.

A notícia da tempestade fez escolas fecharem e causou longas filas em supermercados, já que muita gente quis se abastecer para um fim de semana em que as atenções estão voltadas para o Super Bowl, partida mais importante de futebol americano, no domingo.

Virginia, Maryland e o Distrito de Columbia (Washington) declararam estado de emergência por causa da neve. Isso permite que os governos estaduais ativem agências de emergência, como a Guarda Nacional.

A enorme tempestade deve cobrir de branco as cidades de Baltimore, Washington e Filadélfia, além de levar fortes chuvas às Carolinas e a Geórgia.

O frio levou o gás natural para entrega imediata à sua maior cotação do inverno, 11,50 dólares por milhão de BTUs (unidade-padrão de medida) - alta de 4 dólares em relação à véspera.

O gás para entrega imediata em Chicago subiu 10 centavos de dólar e foi cotado a 5,70. O combustível de calefação não sofreu alteração.

Há previsão de frio excepcional para depois da tempestade, na semana que vem, no Nordeste dos EUA, maior mercado mundial do combustível de calefação, e no Meio-Oeste, onde há grande demanda por gás natural.

(Reportagem adicional de Tabassum Zakaria e Donna Smith em Washington; Ed McAllister e Eileen Moustakis em Nova York)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG