Tempestade Bill perde força sobre o Atlântico Norte

Por John McCrank SAINT JOHNS, Canadá (Reuters) - O furacão Bill voltou ao status de tempestade tropical nesta segunda-feira, depois de provocar fortes ventos na Costa Leste do Canadá e chuvas e ressaca no leste dos EUA, onde duas pessoas morreram.

Reuters |

A tempestade deve se dissipar conforme avance sobre as águas frias do Atlântico Norte --região produtora de petróleo.

Uma menina de sete anos morreu no hospital na noite de domingo depois de ser retirada inconsciente do mar pela Guarda Costeira. Ela fazia parte de um grupo de pessoas que observavam a ressaca e foram arrastadas por uma enorme onda na costa do Parque Nacional Acadia, no Maine, segundo um porta-voz da Guarda Costeira.

Nesta segunda-feira, Bill deixou de ser considerado furacão e virou apenas tempestade tropical, depois de atingir Newfoundland, a província mais oriental do Canadá. A costa atlântica canadense produz petróleo, gás e derivados para exportação.

A energia está sendo restaurada para cerca de 40 mil lares e empresas no sul da província de Nova Scotia. A tempestade derrubou árvores, mas provocou poucos danos em Halifax, capital da província. Não houve relatos de mortos ou feridos no Canadá.

"Não estamos vendo danos graves," disse uma porta-voz da Defesa Civil de Nova Scotia. "Estamos vendo coisas como estradas inundadas e falta de energia."

Bill, que foi o primeiro furacão de 2009, provocou fortes chuvas e ondas em Bermuda, território britânico que tem importante participação no setor global de seguros.

Ele causou também muitas ondas e chuvas na Costa Leste dos EUA, inclusive na ilha de Martha's Vineyard, onde o presidente Barack Obama passa férias com a família.

No condado de Volusia, no centro da Flórida, as autoridades disseram que um homem de 54 anos se afogou no sábado por causa das ondas causadas pela tempestade.

A plataforma marítima de extração de gás de Sable, na costa da Nova Scotia, retirou funcionários. Já a gigantesca plataforma de Hibernia, na costa de Newfoundland, que está preparada para resistir ao impacto de icebergs comuns na área, continuou a operar normalmente. Ambas as plataformas são operadas pela Exxon Mobil.

Outras plataformas de gás da região também disseram que manteriam suas operações normalmente.

(Reportagem adicional de Laura MacInnis em Halifax, Scott Malone em Boston, Pascal Fletcher em Miami e Anthony Boadle em Washington)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG