Temas sombrios em Cannes, da guerra do Líbano a crianças na prisão

A guerra e a prisão foram temas que marcaram o 61º Festival de Cannes durante a semana com Waltaz with Bachir e Leonera, dois filmes perturbadores que, após Blindness, Ensaio sobre a Cegueira, sobre a falta de visão do mundo moderno, confirmam o tom grave do início da competição.

AFP |

O filme "Leonera", do argentino Pablo Trapero, um comovente drama sobre mulheres presas com seus filhos - que conta com a participação do brasileiro Rodrigo Santoro - foi exibido na quinta-feira na mostra oficial no Festival de Cannes e aplaudido na primeira projeção para a imprensa.

"Leonera" é um drama de tom clássico. Trapero reconhece que se inspirou nos filmes dos anos 50 em que "há uma heroína contra todas as dificuldades".

O filme argentino conseguiu, neste ponto, atingir seu objetivo. "Leonera" é um convincente retrato de uma mulher confrontada pela tragédia, mas ao mesmo tempo uma crônica sem concessões do universo carcerário em que as mulheres se encontram com os filhos pequenos.

Santoro tem uma curta participação no longa, que conta a história de uma jovem grávida acusada de assassinar o namorado. O brasileiro interpreta Ramiro, que seria o responsável pela briga do casal, logo, pelo crime.

Pablo Trapero é considerado um dos grandes diretores argentinos da atualidade. É autor de "Mundo Grúa", "Do Outro Lado da Lei", que foi selecionado para Cannes em 2002, fora da competição, "Família Rodante" e "Nascido e Criado".

Outro ponto de destaque, em plena celebração dos 60 anos de existência de Israel como Estado, foi o documentário israelense em animação "Waltz with Bachir", do diretor Ari Folman.

O longa mostra uma página dramática do Estado Hebreu, a guerra do Líbano em 1982, em particular o massacre no campo de refugiados palestinos de Sabra e Chatila.

"Waltaz with Bachir" é um relato autobiográfico, a história de um ex-combatente do Exército israelense que entrou no campo de refugiados de Sabra e Chantila, no Líbano, após as falanges cristãs libanesas cometerem um massacre de palestinos - tudo sobre o olhar passivo das autoridades de Israel.

Folman filmou depoimentos de seus companheiros de armas da época, primeiro para um documentário clássico. Depois, decidiu por uma animação, por entender que se tratava de um exercício de terapia e de recuperação da memória.

"Waltaz" não é um desenho animado comum, com desenhos feitos a mão, realçados com movimentos de iluminação e cor muito expressivos.

Apesar de ser sempre arriscado tentar adivinhar o pensamento de cada integrante do júri, tanto o israelense Ari Folman como o argentino Pablo Trapero cumprem os requisitos expostos na quarta-feira pelo presidente do júri, Sean Peen, para levar o prêmios: os dois são cineastas conscientes do mundo que os cerca.

Em um tom mais ameno, um dos momentos de destaque foi marcado pela presença da atriz americana Angelina Jolie para a exibição de "Kung Fu Panda", filme de animação dos americanos Marco Osborne e John Stevenson, em que empresta a sua voz ao lado de Dustin Hoffman, Jack Black, Jacky Chan e Lucy Liu.

Jolie confirmou que estava grávida de gêmeos e que não sabia ainda onde daria à luz, apesar de estar pensado seriamente na França. A atriz, o marido Brad Pitt e suas quatro filhos, estão morando desde o fim abril na Côte d'Azur - Riviera Francesa -, uma das regiões mais sofisticadas da França.

jmr/fb/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG