Ted Turner pode ser obrigado a abrir caminho em sítio para dar acesso a rio

Buenos Aires, 8 abr (EFE) - A Administração de Parques Nacionais da Argentina pediu ao magnata americano Ted Turner que abra um caminho dentro de um grande sítio de sua propriedade na Patagônia para permitir acesso ao rio Traful. O órgão fez o mesmo pedido a outros proprietários de granjas que impedem o livre acesso a rios e lagos do Parque Nacional Nahuel Huapi, onde está localizada a propriedade de Turner, informaram hoje à Agência Efe fontes oficiais. Vários proprietários já aceitaram abrir caminhos de passagem, mas Turner não respondeu ainda, apontou o diretor da Administração de Parques Nacionais, Héctor Espina. Em caso de recusa, será feita a desapropriação de parcelas das terreno que forem necessárias para abrir tais caminhos, indicou. Nos últimos anos, houve múltiplos incidentes devido à recusa de empregados de Turner a permitir o acesso ao rio Traful por trechos da La Primavera, um sítio de cinco mil hectares de extensão que o criador da emissora de notícias CNN comprou em 1996. Também houve incidentes similares em outras granjas da zona, o que provocou queixas de moradores e de grupos ambientalistas que questionam a propriedade privada de belas paisagens naturais. As granjas em questão estão situadas em áreas de reserva, como se chamam as partes excluídas da concessão ou desapropriação de terras para criar parques e reservas naturais, explicou Espina. Neste sentido, o funcionário indicou que o sítio La Primavera existe desd...

EFE |

O magnata também é dono de outro grande sítio nessa zona e na província da Terra do Fogo, no extremo sul da Patagônia argentina.

Segundo habitantes de Villa Traful, Turner mantém uma boa relação com seus vizinhos e inclusive colaborou com iniciativas ambientais, mas nos últimos anos houve incidentes pelo acesso ao Traful, considerado um dos melhores lugares para a pesca de trutas e outros peixes.

O diretor dos Parques Nacionais indicou que "no passado" o acesso a rios e lagos através de terrenos privados era proibido, assim como a prática esportes náuticos.

"Agora a política mudou, se permite a canoagem e se procura que as pessoas possam ter acesso livre a rios e lagos, pelo que se pedem trechos de passagem", comentou Espina. EFE alm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG