Tbilisi e Washington assinarão acordo de cooperação estratégica

Tbilisi, 21 dez (EFE).- A Geórgia anunciou hoje a assinatura em breve com os Estados Unidos de um acordo de cooperação estratégica, crucial para o futuro deste país do Cáucaso após a derrota frente à Rússia no conflito pelo controle das separatistas Ossétia do Sul e Abkházia.

EFE |

"Os documentos estarão preparados esta semana. O acordo marco inclui a cooperação em matéria de segurança, economia, democracia e assuntos humanitários", disse o ministro de Exteriores georgiano, Grigori Vashadze, ao canal de televisão "Rustavi-2".

Tbilisi confia em que o acordo, similar ao assinado recentemente entre EUA e Ucrânia, outro aliados de Washington no quintal da Rússia, seja assinado antes do fim deste ano.

O líder georgiano, Mikhail Saakashvili, submetido nos últimos três meses a uma grande pressão por parte da Rússia e da oposição, insistiu na importância de fechar o acordo antes da mudança de Administração na Casa Branca.

Segundo os analistas, Saakashvili teme que o novo presidente americano, Barack Obama, dê às costas a ele para não irritar o Kremlin, que já começou a mobilizar tropas regulares na Ossétia do sul e na Abkházia.

O presidente do Parlamento georgiano, David Bakradze, considera que o novo acordo de cooperação permitirá à Geórgia reconstruir suas Forças Armadas, em dificuldades após o confronto na Ossétia do Sul.

O Exército georgiano sofreu 180 baixas, mais do dobro que do lado russo, enquanto cerca de 20 soldados ainda estão desaparecidos.

"As tropas precisam de uma reabilitação psicológica. Seu moral é muito baixo", disse à Agência Efe um especialista militar.

Instrutores militares americanos treinaram as tropas georgianas durante os últimos anos, mas o problema não está nos soldados, mas nos altos comandantes, pouco profissionais, segundo Washington.

Após o conflito, Saakashvili substituiu o chefe do Estado-Maior Unificado das Forças Armadas e o ministro da Defesa, enquanto o secretário do Conselho de Segurança Nacional apresentou sua renúncia.

A oposição denunciou que os dirigentes tentar desviar a atenção, ao acusar os soldados de toda a responsabilidade pela derrota no conflito com a Rússia.

A ex-presidente do Parlamento e nova líder opositora, Ninó Burdzhanadze, confirmou na véspera, em Washington, que ambas as partes "mantêm intensas consultas para a assinatura do acordo estratégico".

"O acordo de cooperação permitirá aprofundar e ampliar a cooperação entre Geórgia e EUA, razão pela que apoiarei", disse.

Em uma demonstração de que Washington já procura alternativas a Saakashvili, o subsecretário de Estado americano, Matthew Bryza, reuniu-se esta semana em Tbilisi com os líderes da oposição georgiana, que lhe manifestaram a intenção de criar uma frente comum para substituir o presidente georgiano. EFE mv/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG