Tareq Aziz é sentenciado a 7 anos de prisão por caso de curdos

BAGDÁ - O ex-vice-primeiro-ministro do Iraque Tareq Aziz foi sentenciado no domingo a sete anos de prisão por seu papel no deslocamento forçado de curdos da próspera região petrolífera ao nordeste do país durante o governo de Saddam Hussein.

Reuters |

Em março, ele recebeu uma pena de 15 anos por seu papel no assassinato de dúzias de comerciantes pela quebra dos controles estatais de preço, em 1992. Dois advogados disseram que as sentenças seriam somadas e Aziz, de 73 anos, ficaria 22 anos preso.

A decisão de março marcou a primeira vez em que Aziz, que também atuou como ministro de Relações Exteriores no regime de Saddam, foi condenado por um crime desde que se entregou às tropas norte-americanas em abril de 2003, duas semanas após a queda do ex-líder iraquiano.

"Porque você cometeu, em parceria (com outros), o crime de delocamento forçado contra o povo curdo, a corte decidiu condená-lo... a sete anos de prisão", afirmou o juiz Mahmoud Salih, ao anunciar o veredicto do júri.

A sentença de Aziz em março surgiu menos de duas semanas após o mesmo tribunal tê-lo inocentado de qualquer participação no assassinato e expulsão de muçulmanos xiitas, em 1999. No julgamento, o primo de Saddam, Ali Hassan al-Majeed, recebeu a terceira sentença de morte.

Majeed, apelidado de "Chemical Ali" pelo uso de gás venenoso para matar curdos nos anos de 1980, também foi condenado a 15 anos. Disputas políticas atrasaram sua execução.

Alguns dentro do Iraque viram os julgamentos de aliados de Saddam Hussein como uma vingança contra os prosperaram durante o regime.

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG