Tanques russos disparam contra habitantes de Gori, diz presidente

TBILISI - O presidente georgiano Mikhail Saakashvili denunciou nesta quarta-feira que tanques russos abriram fogo contra habitantes da cidade de Gori.

Redação com agências internacionais |

De acordo com Saakashvili, pelo menos 50 tanques e veículos blindados russos permanecem na cidade georgiana de Gori, a mais próxima da Ossétia do Sul.

Em Moscou, o Estado-Maior das "forças de paz" russas, citado pela agência Interfax, afirmou que nenhuma unidade russa está em Gori.

Horas depois, porém, as forças russas admitiram ter entrado em Gori, apesar de assegurar que seu objetivo era esvaziar um arsenal georgiano, informou um representante das tropas citado pela agência Ria-Novosti.

Segundo a Geórgia, os blindados russos estão destruindo as instalações militares da Brigada de Artilharia do Exército na cidade de Gori. Essas instalações tinham sido abandonadas pelas forças georgianas após a contra-ofensiva das tropas russas.

De acordo com a agência Reuters, tropas russas montaram pelo menos dois postos de controle nas cercanias de Gori.

Uma testemunha afirmou que os russos avançaram para o sul desde a Ossétia do Sul para ocupar uma base abandonada de artilharia da Geórgia a 4 ou 5 km do centro de Gori.

Já um cinegrafista da Reuters disse que viu um segundo posto de controle da Rússia em uma estrada que leva para o leste da cidade, em direção à capital da Geórgia, Tbilisi.

Uma outra testemunha em Gori, a 25 km ao sul da capital da Ossétia do Sul, Tskhinvali, afirmou à Reuters que não via nenhum tanque russo nas redondezas.

"Estive por toda a cidade. Sem tanques, sem russos", disse a testemunha, que pediu para não ter seu nome publicado. "As pessoas estão confusas e impacientes, entrando em pânico facilmente".

Mais tarde, a mesma testemunha disse que forças russas haviam instalado um posto de controle na base de artilharia, "na velha estrada de Tskhinvali, ao norte de Gori".

Gori está praticamente abandonada agora, e a polícia georgiana bloqueou a principal rodovia para a cidade, bem depois de Tbilisi.

Forças da Geórgia deixaram a cidade na segunda-feira em direção à capital Tbilisi após serem expulsas por tropas russas.


Georgiana exibe estragos em edifício de Gori / Getty Images

Acordo de paz

Os ministros de Exteriores dos 27 países-membros da União Européia realizam nesta quarta-feira um encontro extraordinário no qual aprovarão a trégua entre Rússia e Geórgia , acertada com a mediação da presidência francesa do bloco, e avaliarão as necessidades de ajuda humanitária para atender às vítimas do conflito.

Rússia e Geórgia aceitaram na terça-feira o plano apresentado pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, em nome da União Européia (UE) e que prevê o retorno das tropas russas e georgianas a suas posições anteriores ao conflito.

Sarkozy, que mediou as negociações na qualidade de presidente rotativo da UE, conseguiu o consentimento de ambos os países com o plano, após visitas a Moscou e Tbilisi, nas quais se reuniu com os presidentes russo, Dmitri Medvedev, e georgiano, Mikhail Saakashvili.

Leia também:

Opinião:

Leia mais sobre: Geórgia Rússia

Com AFP, EFE e Reuters

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG