bombardeiam Faixa de Gaza - Mundo - iG" /

Tanques israelenses bombardeiam Faixa de Gaza

Tanques e artilharia israelenses teriam bombardeado pela primeira vez a Faixa de Gaza na segunda semana da ofensiva de Israel. Segundo correspondentes os disparos de tanques e artilharia podem ser uma indicação de que os militares de Israel estariam se preparando para lançar ataques terrestres contra a Faixa de Gaza.

BBC Brasil |

Os militares israelenses aumentaram os ataques contra o território e mais ataques aéreos foram lançados.

Pelo menos 13 palestinos foram mortos em um dos ataques aéreos, contra uma mesquita na Faixa de Gaza.

Um míssil disparado por Israel atingiu a mesquita em Beit Lahiya. Segundo a correspondente da BBC em Jerusalém Katya Adler, testemunhas afirmaram que a mesquita era pequena, mas estava lotada de fiéis quando foi atingida.

De acordo com o hospital local entre as 13 pessoas mortas estão dois meninos. Outras 30 pessoas ficaram feridas.

Adler acrescenta que Israel destruiu várias mesquitas desde o início de sua ofensiva na Faixa de Gaza, há uma semana. Segundo os israelenses as mesquitas seriam usadas pelo Hamas para guardar armas.

Líder morto
Os ataques israelenses na Faixa de Gaza mataram neste sábado mais um importante líder do grupo palestino Hamas.

De acordo com fontes do Exército israelense, bombardeios atingiram o carro de Abu Zakaria al-Jamal, que morreu em decorrência dos ferimentos.

Abu al-Jamal é o segundo importante líder do Hamas a ser morto desde o início da ofensiva de Israel, no sábado passado, contra alvos do grupo na Faixa de Gaza.

Na quinta-feira, Nizar Rayyan foi morto depois que sua casa foi atingida por uma bomba. Outras nove pessoas, supostamente membros de sua família, também morreram. Ele foi o primeiro integrante do Hamas de maior destaque a ser morto por forças israelenses desde 2004.

Desde o início da ação militar, as forças israelenses já lançaram mais de 800 ataques contra a Faixa de Gaza, incluindo 40 neste sábado. Mais de 400 pessoas foram mortas, 25% delas civis, segundo fontes das Nações Unidas.

Até agora, quatro israelenses morreram em decorrência dos ataques com foguetes palestinos.

Israel afirma que a ação militar na Faixa de Gaza tem o objetivo de interromper esses ataques.

Protestos
Dezenas de milhares de pessoas participaram de protestos no mundo todo contra a ação militar israelense na Faixa de Gaza, pedindo um imediato cessar-fogo.

A maior manifestação ocorreu em Paris, onde mais de 20 mil pessoas se reuniram.

Em Londres cerca de 10 mil pessoas participaram do protesto e centenas de sapatos foram arremessados na entrada da residência do primeiro-ministro Gordon Brown, Downing Street, semelhante ao protesto de um jornalista iraquiano em Bagdá, que atirou um par de sapatos contra o presidente americano George W. Bush, em dezembro.

Também ocorreram protestos em Bruxelas, Haia, Amsterdã e Chipre.

Em Israel dezenas de milhares de árabes israelenses fizeram um protesto contra a ofensiva israelense na cidade de Sakhnin.

Um político árabe israelense, Jamal Zahalka, disse que esta foi a maior manifestação da minoria árabe israelenses nos últimos dez anos.

'Atos de terror'
Em um pronunciamento de rádio neste sábado, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, classificou os ataques de foguetes do Hamas contra Israel como "atos de terror".

"A recente violência foi instigada pelo Hamas, um grupo palestino terrorista apoiado pelo Irã e pela Síria e que quer a destruição de Israel", disse.

Bush ainda responsabilizou o Hamas por "lançar ataques com foguetes e morteiros que têm como alvo israelense inocentes, um ato de terror que recebe oposição do líder legítimo do povo palestino, o presidente (Mahmoud) Abbas".

O presidente ainda disse que os Estados Unidos estão fazendo esforços diplomáticos para que as partes cheguem a um cessar-fogo "monitorado".

"Um outro cessar-fogo unilateral que permita ataques contra Israel não é aceitável e promessas do Hamas não são suficientes. Deve haver mecanismos para monitorar e assegurar que o contrabando de armas para os grupos terroristas em Gaza tenha um fim".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG