Talibãs do Paquistão vinculados ao atentado contra a CIA no Afeganistão

O vídeo póstumo difundido neste sábado pelo canal Al-Jazeera mostra que o Movimento dos Talibãs do Paquistão (TTP) estava relacionado com o autor do atentado contra a CIA no Afeganistão, algo sem precedentes para o TTP, que até agora só havia reivindicado ataques no Paquistão.

AFP |

No vídeo, o agente duplo jordaniano Humam al Balawi afirma que o atentado vingou Baitullah Mehsud, líder talibã paquistanês morto pelos Estados Unidos, e a seu lado estava um homem que, segundo algumas fontes, seria Hakimullah Mehsud, substituto de Baitullah.

O TTP é considerado o principal autor da onda de ataques que afeta o Paquistão desde julho de 2007, com uns 300 atentados, mais da metade suicidas, que deixaram mais de 2.800 mortos.

Este movimento, que jurou lealdade à Al-Qaeda, operava até agora no território do Paquistão, cujo governo o considera o inimigo público número 1 do país. O TTP denuncia o alinhamento da política paquistanesa com a dos Estados Unidos.

Mas o TTP se distinguia de outros grupos talibãs ou assimilados, como a rede Hatif Gul Bahadur e de Siraj Haqqani, erradicados no vizinho Waziristão do Norte e que se concentram na guerra contra as forças afegãs e internacionais no Afeganistão.

Depois de ter bombardeado intensamente o Waziristão do Sul, os Estados Unidos concentram agora seus disparos de aviões sem piloto no vizinho Norte e nos prováveis refúgios das Bahadur e Haqqani.

No entanto, as autoridades paquistanesas parecem hesitar em tomar como alvo essas redes, que aparentemente estão vinculadas a seus serviços secretos, pois defendem seus interesses estratégicos no Afeganistão ao apoiar ali a rebelião dos talibãs.

Ao suceder Baitullah Mehsud, Hakimullah Mehsud jurou atacar rapidamente os Estados Unidos para vingar a morte do antecessor.

Isso parecia possível principalmente no Afeganistão, mas pelo jeito o chefe do TTP encontrou a ocasião propícia através de um agente do duplo e de um atentado contra a CIA sem que tivesse de atravessar a fronteira.

emd/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG