(Atualiza com comunicado divulgado pelos talibãs). Nova Délhi, 31 dez (EFE).- O movimento talibã afegão disse hoje que um soldado do Exército afegão cometeu o ataque suicida contra uma base dos Estados Unidos no leste do Afeganistão no qual morreram ontem oito agentes da CIA (agência de inteligência americana).

"O soldado afegão pedia uma jaqueta suicida aos talibãs há tempos. Finalmente, os talibãs a deram e então cometeu o ataque suicida dentro da agência de inteligência dos EUA no velho aeroporto de Khost", explicou um porta-voz da rede fundamentalista Haqqani, ligada aos talibãs, Salahuddin Ayubi, citado pela agência de notícias "AIP".

Segundo Ayubi, o ataque, registrado ontem na província de Khost, na fronteira com o Paquistão, deixou 13 estrangeiros mortos e feriu um número indeterminado de pessoas.

O principal porta-voz do movimento talibã, Zabihullah Mujahid, postou um comunicado na internet no qual deu uma versão similar dos fatos, mas sustentou que "20 funcionários da CIA morreram e outros 25 ficaram feridos" no atentado.

Segundo o relato de Mujahid, o soldado, identificado como Samiullah, detonou a carga explosiva que carregava em um centro de treinamento de Khost no qual os agentes estavam reunidos para compartilhar informações sobre a insurgência afegã.

"De fato, não é a primeira vez em que militares afegãos, com plena inspiração e sentimentos islâmicos, cometeram tais ataques frontais contra os infiéis invasores", comemorou o porta-voz.

O movimento talibã, que costuma inflar os números de vítimas nos ataques contra as tropas internacionais, não detalhou em seu texto se o soldado foi enviado pelos insurgentes para cometer o atentado.

O Governo dos EUA confirmou ontem à noite que oito americanos morreram em uma explosão ocorrida no interior de uma base militar de Khost e, embora não tenha identificado as vítimas, a imprensa americana citou fontes militares segundo as quais a maioria delas são agentes da CIA.

Segundo o jornal "The Washington Post", que cita funcionários do Governo americano, não está claro se os oito mortos eram todos da CIA ou contratados pela espionagem americana, nem como o suicida conseguiu entrar na base militar.

Um ex-funcionário da CIA disse ao jornal "The New York Times" que oito empregados dos serviços secretos morreram no ataque suicida, mas alertou que as primeiras informações que chegam do terreno podem ser incorretas.

A CIA ainda não falou sobre o ataque. Até o momento, a agência reconheceu a morte de quatro de seus agentes na guerra do Afeganistão nos últimos oito anos. EFE amp-mb/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.