Cabul, 19 jun (EFE).- Após uma operação militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e do Exército do Afeganistão que resultou na morte de 56 insurgentes e dois soldados afegãos, os talibãs abandonaram hoje as regiões que controlavam nas proximidades da conflituosa cidade de Kandahar.

Em entrevista coletiva, o porta-voz do Ministério de Defesa afegão, o general Zahir Azimi, assegurou que 56 rebeldes morreram e um grande número deles ficou ferido durante a ofensiva.

O porta-voz acrescentou que apenas dois militares afegãos morreram e outros dois ficaram feridos nos combates.

Segundo Azimi, os talibãs do distrito de Arghandab já foram desalojados, embora tenha afirmado que as operações de busca ainda estejam em andamento e que ainda restam alguns focos de resistência.

Em comunicado, o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, explicou que já pediu às autoridades para que prestem socorro aos que ficaram desabrigados pelos combates, já que diante da iminente ofensiva da Otan e do Exército afegão, os aldeões abandonaram nos últimos dias o distrito de Arghandab.

Na segunda-feira, a aviação da Otan havia lançado panfletos de aviso para que os cidadãos se retirassem da região antes da operação.

"Os talibãs, após atacarem vários povos de Arghandab, queimaram a colheita dos aldeões e destruíram várias pontes na área, além de instalarem minas", revelou o presidente afegão.

Karzai mostrou sua satisfação após a ofensiva e assegurou que "muitas das pessoas que atacaram o distrito eram terroristas estrangeiros".

"Antes, as antigas tropas da União Soviética colocavam minas nas estradas do Afeganistão, mas agora são os talibãs que realizam estes atos não-islâmicos e desumanos", acrescentou.

A ofensiva teve início ontem na ribeira oeste do rio Arghandab, com a participação de milhares de soldados afegãos desdobrados no local e de tropas da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), sob comando da Otan.

Uma fonte oficial já havia informado previamente à Agência Efe que a ofensiva tinha deixado muitos insurgentes mortos ou feridos.

"Centenas de combatentes morreram ou estão feridos, a maior parte deles estrangeiros oriundos principalmente do Paquistão", disse à Efe Mohamad Dawoud, porta-voz do Governador de Kandahar, Assadullah Khalid A Isaf ainda não revelou sua própria estimativa de vítimas.

Os talibãs assumiram o controle desses povoados, situados a 20 quilômetros de Kandahar, depois que no último dia 13 um grupo insurgente libertou quase 900 presos de uma cadeia da cidade. Entre os libertados, pelo menos 350 eram talibãs.

Com as ações em Arghandab, os combatentes talibãs ameaçavam não só a cidade de Kandahar, mas também a rota estratégica que liga Cabul às cidades do sul e do oeste do país.

Os combates entre a insurgência talibã e as tropas internacionais e afegãs são constantes, assim como os atentados, especialmente na parte sul do país, onde predomina a etnia pashtun, a mesma da dos talibãs.

Este ano, mais de 1.600 pessoas morreram em conseqüência da violência no Afeganistão. EFE nh/fh/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.