Talibãs aumentarão presença em áreas afegãs, alerta Pentágono

Os talibãs tentarão, provavelmente, aumentar sua presença no norte e no leste do Afeganistão, enquanto prosseguem seus combates no sul e no leste, alertou o Pentágono nesta sexta-feira, em seu primeiro relatório sobre a segurança do país.

AFP |

"Os talibãs desafiarão o controle do governo afegão em áreas rurais, especialmente no sul e no leste. Mesmo assim, os talibãs tentarão, provavelmente, aumentar sua presença no oeste e no norte", disse o relatório.

"Para o primeiro trimestre de 2008, a ameaça mais significativa nas regiões leste e norte do país veio dos chefes de guerra, de criminosos e traficantes de droga", acrescentou o informe.

Apesar das dificuldades causadas aos insurgentes, em 2007, por soldados da Otan e das forças de segurança afegãs, "os talibãs podem querer aumentar ainda mais a escala e o ritmo de seus ataques em 2008", acredita o Departamento americano da Defesa.

O grupo mais radical da milícia islâmica, derrubado do poder no Afeganistão pela coalizão liderada pelos EUA em 2001, reuniu-se, desde então, "fundindo-se como uma insurreição resistente".

Mesmo com a presença de cerca de 70.000 soldados, as forças talibãs continuaram crescendo nos últimos dois anos, e o Afeganistão registrou, em 2007, os piores níveis de violência em vários anos, com 6.500 mortos em ataques suicidas e por bombas nas estradas, entre outras causas.

O claro aumento do número de bombas artesanais ilustra essa tendência: os EUA identificaram, em 2007, um recorde de 2.615 bombas instaladas na beira das estradas, contra 1.931, em 2006.

Pelo menos 106 soldados estrangeiros morreram no Afeganistão desde janeiro, a maioria vítima desses artefatos explosivos, de acordo com cálculos da AFP baseados nos comunicados militares.

Segundo o Pentágono, "o maior desafio para a segurança em longo prazo no Afeganistão" reside na existência de santuários dos insurgentes nas zonas tribais do noroeste do Paquistão, na fronteira com o Afeganistão.

O secretário americano da Defesa, Robert Gates, preocupou-se, ontem, com a falta de pressão, por parte do Paquistão, contra os talibãs na fronteira entre esses dois países.

"Uma das razões do aumento (da atividade dos talibãs) é que cada vez mais gente passa a fronteira" para o Afeganistão, afirmou.

dab/fb/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG