Taliban do Paquistão nega morte do líder Hakimullah

Por Saad Khan PESHAWAR, Paquistão (Reuters) - O Taliban do Paquistão negou neste domingo que seu líder Hakimullah Mehsud foi morto em um ataque aéreo dos Estados Unidos, conforme havia informado uma reportagem da TV estatal.

Reuters |

"É totalmente mentirosa", disse um porta-voz do grupo à Reuters por telefone, do noroeste do Paquistão, referindo-se à reportagem da TV paquistanesa.

O Exército paquistanês disse anteriormente que estava investigando o relato de que Hakimullah havia morrido de ferimentos sofridos durante o ataque aéreo e que havia sido enterrado na região de Orakzai, no noroeste do país.

"Estamos investigamento, mas até agora ainda não há confirmação", disse o porta-voz do Exército major-general Athar Abbas.

A morte de Hakimullah provavelmente criaria confusão no Taliban do Paquistão, ligado à Al-Qaeda, segundo analistas, mas não seria um golpe importante a longo prazo para o grupo, que luta para derrubar o governo pró-Estados Unidos.

A televisão estatal não mencionou a data do ataque.

Autoridades de Inteligência paquistanesas disseram ter recebido relatos não confirmados de que Hakimullah, o inimigo número um do Estado paquistanês, pode ter morrido devido aos ferimentos de ataque a dois veículos que transportavam militantes no Waziristão do Norte, em 17 de janeiro, dias depois de sobreviver a um ataque semelhante.

Hakimullah apareceu em um vídeo de despedida com o militante suicida que se passava por agente e matou sete funcionários da CIA no Afeganistão em 30 de dezembro. As imagens sugerem que o seu Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP), Movimento Taliban do Paquistão, que luta contra o governo do Paquistão, teria se tornado mais sofisticado, participando do segundo ataque mais letal da história da CIA.

O Taliban do Paquistão distribuiu uma fita de áudio em 16 de janeiro, supostamente de Hakimullah, negando ter sido morto em um ataque norte-americano dois dias antes.

Washington considera o Paquistão como um Estado na linha de frente em sua guerra contra o terrorismo e quer que o país persiga grupos rebeldes do Taliban que atravessam a fronteira para atacar as forças ocidentais no Afeganistão.

Mas o Paquistão diz que não tem recursos suficientes para abrir novas frentes contra os militantes e deve se concentrar nos insurgentes do país, que procuram impor um modelo austero do Estado islâmico no Paquistão.

Em agosto de 2009, uma ataque aéreo dos Estados Unidos no Paquistão matou líder do Taliban Baitullah Mehsud.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG