Taliban afegão nega uso de fósforo branco

Por Sayed Salahuddin CABUL (Reuters) - O Taliban do Afeganistão rejeitou nesta terça-feira a acusação norte-americana de que estaria usando fósforo branco como munição.

Reuters |

Os militares dos EUA disseram na segunda-feira que havia 44 casos documentados da posse ou uso dessa substância incendiária por parte do Taliban. A acusação foi uma resposta a uma reportagem da Reuters na semana passada sobre a primeira vítima conhecida do fósforo branco no Afeganistão.

As forças dos EUA e da Otan admitem o uso da substância como fonte de iluminação, para criar cortinas de fumaça e para destruir prédios vazios, mas negam haver uso proposital contra pessoas.

Qari Mohammad Yousuf, porta-voz do Taliban, disse que o grupo islâmico não usa o fósforo branco de nenhuma forma. "Nem temos nem usamos fósforo. Os norte-americanos já o usaram em muitas operações e agora querem atribuir sua tirania ao Taliban", disse ele por telefone de um local desconhecido.

Em nota divulgada pelo site militante www.alemarah1.org, o Taliban se ofereceu para cooperar em eventuais investigações para demonstrar que não usa o material.

Os tratados internacionais autorizam alguns usos do fósforo branco, mas não contra pessoas. Seu emprego em áreas populosas é motivo de prolongadas polêmicas.

A Reuters relatou na semana passada o caso de uma menina de 8 anos que está sendo atendida em um hospital militar norte-americano do Afeganistão com queimaduras provocadas por fósforo branco. O caso dela não consta na lista de incidentes divulgada na segunda-feira pelas forças dos EUA.

O pai da menina diz que a casa da família foi atingida por disparos das tropas ocidentais. A entidade Human Rights Watch exigiu mais detalhes do incidente.

Depois que a Reuters publicou esse relato, a comissão afegã de direitos humanos disse estar investigando se havia presença do fósforo branco num incidente da semana passada em que autoridades locais dizem que vários civis foram mortos.

Por causa do ataque na província de Farah (oeste), o presidente Hamid Karzai pediu a Washington que suspenda todos os bombardeios, algo que o governo norte-americano disse que não pode fazer.

Muitas das vítimas no bombardeio de Farah tiveram queimaduras graves. Os militares dos EUA admitem ter bombardeado duas aldeias depois de combates terrestres nos arredores, mas dizem que não houve uso de munições com fósforo branco nessa batalha.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG