Taleban se espalhou por regiões nunca afetadas do Afeganistão

Publicados pelo Wall Street Journal, mapas confidenciais da ONU mostram deterioração da segurança em 2010

iG São Paulo |

A insurreição taleban se espalhou nos últimos meses para regiões do Afeganistão que nunca haviam sido afetadas. De acordo com Kieran Swyer, alto funcionário da ONU em Cabul, “paralelamente à intensificação do conflito em certas partes do país, vimos surgir grupos insurgentes em distritos que anteriormente não haviam sido um alvo".

Nesta segunda-feira, o Wall Street Journal publicou dois mapas confidenciais das Nações Unidas que mostram uma clara deterioração da segurança durante 2010, especialmente nas regiões norte e noroeste do país.

AFP
Militar americano inspeciona buraco em busca de explosivos perto de casa abandonada em Zari, no Afeganistão
"Em certas partes do país tornou-se incrivelmente difícil trabalhar em 2010, em consequência da insegurança que afeta principalmente os trabalhadores humanitários e os funcionários do governo responsáveis pelos serviços prestados à população", completou Dwyer, que disse não ter lido a reportagem do jornal americano e que não estava autorizado a fazer comentários sobre os mapas publicados.

Segundo os mapas, a situação permanece de "risco muito alto" no sul e parte do leste, onde se concentram grande parte das operações das forças internacionais. Em 16 distritos do norte e noroeste, o nível de risco passou de "baixo" ou "médio" para "alto", enquanto em apenas dois - nas províncias de Kunduz e Herat - caiu de "alto" para "médio".

Carro-bomba

No sul do país, nesta segunda-feira, um suicida em um carro-bomba matou ao menos três policiais afegãos que estavam na fila de um banco para recolher seus salários, na cidade de Candahar.

Cerca de 14 policiais ficaram feridos e oito estavam desaparecidos após o agressor detonar os explosivos no carro estacionado perto do banco.

A explosão destruiu parcialmente lojas, alguns prédios e vários veículos da polícia e do Exército. Vários membros das forças de segurança afegãs dispararam para o alto em pânico após a explosão. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

*Com AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: afeganistãoeuaataquecandahar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG