Taleban promete atrapalhar eleições no Afeganistão

Grupo extremista islâmico mandou os afegãos boicotarem o pleito

Reuters |

O Taleban disse neste domingo que vai tentar atrapalhar as eleições afegãs neste mês e mandou os afegãos boicotarem o pleito, a primeira ameaça explícita do grupo extremista islâmico.

A ameaça veio apenas um dia depois que o presidente Hamid Karzai disse que anunciaria os membros de um conselho de paz para negociar com o Taleban, outro passo no plano de reconciliação com os insurgentes.

A eleição parlamentar de 18 de setembro é vista como um teste à estabilidade no Afeganistão antes de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, realizar uma revisão da estratégia de guerra em dezembro que examinará como começará a retirada das tropas norte-americanas a partir de julho de 2011.

Apesar da presença de quase 150 mil soldados estrangeiros, a violência é a pior desde que os EUA expulsaram o Taliban do governo em 2001.

"Essa eleição é um processo estrangeiro que visa aumentar a ocupação do Afeganistão e estamos pedindo aos afegãos para boicotarem-na", disse o porta-voz Taleban Zabihullah Mujahid.

"Somos contra ela e tentaremos de tudo para impedi-la. Nossos primeiros alvos serão as forças estrangeiras e depois as afegãs", disse ele à Reuters por telefone.

A segurança é uma das maiores preocupações antes das eleições. Quatro candidatos já foram assassinados e dezenas de funcionários de campanha ficaram feridos nas últimas semanas. Alguns do ataques foram atribuídos ao Taleban.

Outro candidato ficou ferido e 10 de seus funcionários foram mortos num ataque aéreo no norte do país na sexta-feira.

A Força de Assistência à Segurança Internacional da Otan disse que o ataque matou um alto oficial do Movimento Islâmico do Uzbequistão, ligado à al-Qaeda.

Durante as eleições presidenciais do ano passado, o Taleban realizou aproximadamente 130 ataques, mas não conseguiu impedir o processo.

Abdullah Abdullah, um ex-ministro das Relações Exteriores que ficou em segundo nas eleições para presidente, disse que está preocupado com a segurança dos eleitores.

"Não só a situação da segurança não melhorou nos últimos meses, ela piorou", disse Abdullah numa coletiva de imprensa em Cabul.

    Leia tudo sobre: AFEGANISTãOTALeBAN

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG