Taipé, 11 abr (EFE).- O ministro da Defesa de Taiwan, Michael Tsai, manifestou hoje seu ceticismo em relação aos planos da China de retirar metade dos mísseis que tem apontados para a ilha.

Após a posse de Ma Ying-jeou, o novo presidente do país - considerado um "província rebelde" pelo Governo chinês -, Tsai disse a jornalistas que a retirada dos mísseis não diminuía a ameaça bélica contra a ilha, já que, em sua maioria, os mísseis são móveis e podem ser reposicionados a qualquer momento.

"A destruição e a retirada dos mísseis balísticos são duas coisas completamente diferentes", disse Tsai.

A mera "realocação" dos mísseis não representa um verdadeiro gesto de boa vontade, já que 700 mísseis continuarão apontados para ilha e a outra metade poderá ter a ilha na mira novamente a qualquer momento, acrescentou Tsai. EFE flp/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.