Tailândia suspende vôos em meio a protesto

Por Nopporn Wong-Anan e Martin Petty BANGKOK (Reuters) - As operações aéreas no principal aeroporto internacional da Tailândia foram interrompidas nesta terça-feira, depois que centenas de manifestantes contra o governo invadiram o edifício do terminal.

Reuters |

"Ordenamos o fechamento do aeroporto porque os simpatizantes da APD entraram no aeroporto, quebrando regras internacionais de segurança", disse uma porta-voz do aeroporto à Reuters.

Membros da Aliança do Povo pela Democracia (APD) ultrapassaram as linhas policiais e entraram no novo terminal internacional do aeroporto de Suvarnabhumi, no sudeste de Bangkok.

A invasão do terminal ocorreu após um dia dramático, com manifestantes a favor da APD disparando contra apoiadores do governo em uma importante estrada que leva ao antigo aeroporto, no norte da cidade.

Imagens divulgadas pela rede TPBS mostraram pelo menos dois seguranças da APD disparando seis vezes com pistolas. A APD afirmou que eles foram atacados antes com pedras e tábuas.

Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas, de acordo com um funcionário do serviço de emergências da cidade.

Houve cenas de caos em Suvarnabhumi, porta de entrada para 13 milhões de turistas que visitam o país todos os anos, quando os manifestantes passaram pelas linhas de centenas de policiais da tropa de choque, preparados com escudos.

Mais cedo, milhares de membros da APD ergueram bandeiras e retratos do rei Bhumibol Adulyadej, ao mesmo tempo em que outros colocavam arame farpado na estrada de quatro pistas.

"Nosso objetivo é fechar o aeroporto de Suvarnabhumi até que Somchai saia", disse o porta-voz da APD, Parnthep Pourpongpan. O primeiro-ministro, Somchai Wongsawat, volta na quarta-feira da cúpula Ásia-Pacífico, realizada no Peru.

Ele não pousará em Suvarnabhumi, disse um porta-voz.

O fechamento do aeroporto, um dos atos mais radicais na campanha de seis meses da APD, pode diminuir o apoio público a um movimento que parece disposto a ir ainda mais longe para provocar uma queda violenta do governo.

Somchai tem rejeitado as exigências da APD de que ele renuncie. Ele é acusado de ser um títere de seu cunhado, Thaksin Shinawatra, que perdeu o cargo de líder em um golpe em 2006.

(Reportagem adicional de Ed Cropley e Martin Petty)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG