Tailândia elege terceiro primeiro-ministro em menos de um ano

Bangcoc, 15 dez (EFE).- O Parlamento da Tailândia elegeu hoje outro primeiro-ministro, o terceiro em menos de um ano, com a esperança que ele saiba tirar o país da profunda crise política na qual está imerso.

EFE |

Abaixo, uma cronologia da crise:.

23 de fevereiro de 2007: Eleições parlamentares. O Partido do Poder do Povo (PPP) vence; ele é a "reencarnação" do Thai Rak Thai (Tailandeses Amam Tailandeses), a legenda com a qual Thaksin Shinawatra governou o país de 2001 até que o levante de 2006 o expulsou para o exílio.

28 de janeiro de 2008: O Parlamento elege como primeiro-ministro Samak Sundaravej, candidato do PPP e que prometeu a seus eleitores que quando governasse, Shinawatra retornaria ao país.

28 de fevereiro de 2008: Shinawatra retorna à Tailândia.

25 de maio de 2008: A Aliança do Povo para a Democracia, que organizou manifestações contra o Governo de Shinawatra em 2006, retorna às ruas.

8 de agosto de 2008: Shinawatra assiste à inauguração dos Jogos Olímpicos em Pequim, e já não voltaria a Tailândia, onde lhe esperava várias acusações por suposta corrupção.

26 de agosto de 2008: A Aliança ocupa o recinto do palácio do Governo da Tailândia.

27 de agosto de 2008: A Polícia tenta liberar a sede governamental, é rejeitada e várias pessoas ficam feridas.

29 de agosto de 2008: Os manifestantes bloqueiam os aeroportos de Phuket, Hat Yai e Krabi, ao sul do país e principais destinos turísticos.

2 de setembro de 2008: Sundaravej declara o estado de exceção em Bangcoc.

- Novos bloqueios nos aeroportos de Krabi, Hat Yai e Surat Thani.

9 de setembro de 2008: O Tribunal Constitucional desabilita para exercer funções públicas durante cinco anos Sundaravej, por haver cobrado de uma empresa privada por apresentar um programa televisivo sendo chefe do Executivo.

- O vice-primeiro-ministro primeiro da Tailândia, Somchai Wongsawat, assume as funções do chefe do Governo.

14 de setembro de 2008: O Governo interino retira o estado de exceção em Bangcoc.

17 de setembro de 2008: O Parlamento designa Wongsawat, cunhado de Shinawatra, novo primeiro-ministro.

26 de setembro de 2008: A ocupação da sede governamental completa um mês.

7 de outubro de 2008: Morrem duas pessoas e cerca de 400 ficam feridas nas explosões de granadas de gás lacrimogêneo contra seguidores da Aliança nas imediações do palácio do Governo.

21 de outubro de 2008: Shinawatra é condenado à revelia a dois anos de prisão por um delito de abuso de poder cometido quando governava.

20 de novembro de 2008: Dois mortos e 30 feridos pelas explosões de granadas jogadas contra os seguidores da Aliança na sede governamental.

24 de novembro de 2008: A Aliança cerca o Parlamento para impedir que se reúnam os deputados em sessão extraordinária e possam emendar a Constituição.

25 de novembro de 2008: A Aliança inicia a ocupação do moderno aeroporto internacional de Suvarnabhumi, o principal do país, cerca de 35 quilômetros ao leste de Bangcoc.

26 de novembro de 2008: A Aliança inicia a ocupação do velho aeroporto de Don Muang, cerca de 30 quilômetros ao norte de Bangcoc.

- A ocupação da sede governamental completa três meses.

27 de novembro de 2008: O Governo, instalado temporariamente em Chiang Mai, cerca de 600 quilômetros ao norte da capital e reduto do PPP, declara o estado de exceção nos dois aeroportos.

2 de dezembro de 2008: O Tribunal Constitucional dissolve o PPP e outras duas legendas da coalizão de Governo por fraude eleitoral e incapacita todos os membros de suas executivas, incluindo Wongsawat.

- O vice-primeiro-ministro Chaovarat Chanweerakul assume as funções do chefe do Executivo.

- A Aliança declara vitória e anuncia o fim dos protestos e o despejo da sede governamental e dos dois aeroportos.

12 de dezembro de 2008: A Aliança ameaça com novos protestos se o Parlamento escolher outro testa-de-ferro de Shinawatra.

15 de dezembro de 2008: O líder do Partido Democrata, Abhisit Vejjajiva, é eleito primeiro-ministro pelo Parlamento, o terceiro chefe do Governo em menos de um ano. EFE grc/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG