Tailândia despreza alegação da Colômbia para extraditar Viktor Bout aos EUA

Bangcoc, 25 set (EFE).- Um tribunal penal de Bangcoc desprezou hoje a alegação apresentada pela Colômbia em favor da extradição do suposto traficante de armas russo Viktor Bout aos Estados Unidos, por entender que se apresentou fora de prazo.

EFE |

A Corte aceitou por outro lado incluir um protesto de Bout junto à documentação da apelação dos EUA contra a recusa à deportação do chamado "Mercador da Morte", indicaram fontes judiciais.

Os EUA, através da Procuradoria Geral da Tailândia, apelaram dia 14 de agosto passado contra a sentença que, três dias antes, negou a deportação de Bout para ser julgado perante um tribunal americano por vender armas à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), conspirar para assassinar a funcionários norte-americanos e comprar lança-foguetes antiaéreos.

O ministro colombiano de Relações Exteriores, Jaime Bermúdez, apresentou este mês ao recurso americano um relatório de 300 páginas no qual se descreve ao russo como "um traficante ilegal de armas muito perigoso" e como suspeito de tentar vender às Farc cem lança-mísseis antiaéreos portáteis Igla, entre outras armas.

Bermúdez expôs, além disso, 607 razões pelas quais as Farc têm que se consideradas na Tailândia um grupo terrorista em vez de uma organização política.

Em março de 2008, Bout, ex-piloto e agente da KGB, foi detido no luxuoso hotel Sofitel de Bangcoc por membros da agência antidroga dos EUA que se faziam passar por compradores de armas.

As autoridades tailandesas se disponibilizaram em princípio a processá-lo por um delito de apoio ao terrorismo, mas desistiram perante a falta de provas, pelo que Bout sairá livre se a apelação dos EUA é rejeitada.

Os serviços de inteligência britânicos e americanos dizem que Bout dirigiu durante anos uma das maiores redes privadas de contrabando de armas e teve negócios com regimes sanguinários na África e Ásia, com ditadores como o liberiano Charles Taylor e com o terrorista Osama bin Laden, que pagava à vista os pedidos para Al Qaeda.

Sua fama inspirou o filme de Hollywood "Senhor das Armas", cujo protagonista, Nicholas Cage, relata orgulhoso no filme que aproveitou a queda da União Soviética para ganhar muito dinheiro com os arsenais que adquiriu mediante subornos a generais corruptos. EFE grc/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG