Tailândia: Coalizão do novo primeiro-ministro amplia presença no Parlamento

Bangcoc, 11 jan (EFE).- A coalizão de partidos liderada pelo primeiro-ministro da Tailândia, Abhisit Vejjajiva, ampliou no pleito realizado hoje sua representação no Parlamento ao ganhar 20 das 29 cadeiras que estavam vagas.

EFE |

O presidente da Comissão Eleitoral, Apichart Sukhagkanan, anunciou em entrevista coletiva que, segundo os resultados provisórios, o Partido para a Unidade Tailandesa e o Desenvolvimento Nacional (Ruam Jai Thai Chart Pattana) tinha conseguido dez cadeiras, o Partido Democrata sete e o Partido Puea Pandin (Patriótico) três assentos do Legislativo.

Os dois partidos da oposição, Puea Thai (dos Tailandeses) e Monárquico, obtiveram cinco e quatro cadeiras, respectivamente.

Com estes resultados o primeiro-ministro supera a primeira prova política desde sua eleição pelo Parlamento, no dia 15 de dezembro.

Vejjajiva, de 44 anos e membro do Partido Democrata, depositou cedo seu voto na capital, confiante de que o resultado não representará mudanças significativas na configuração atual da Câmara Baixa do Parlamento.

O governante tailandês, que pediu à população que comparecesse aos centros de votação para reforçar a democracia, foi eleito primeiro-ministro no mês passado com o apoio de 235 parlamentares e a rejeição de 198.

"O interesse está no que fará o partido opositor Puea Thai. No caso improvável de conseguir a maior parte das 29 cadeiras, poderia desestabilizar a coalizão liderada pelo Democrata e acelerar eleições nacionais", escreveu o editorial do jornal "Bangcoc Post".

Até antes da disputa pelas cadeiras vagas, o Partido Democrata controlava 165 das 480 cadeiras do Congresso, enquanto o Puea Thai, liderado por Yongyuth Wichaidit, tinha com 183 cadeiras.

Os 8,1 milhões de tailandeses convocados às urnas em 22 províncias tiveram 83 candidatos de 13 partidos para ocuparem os 29 assentos parlamentares que o Tribunal Constitucional esvaziou no dia 2 de dezembro após inabilitar seus ocupantes por terem cometido fraude nas eleições gerais de 2007.

A decisão constitucional dissolveu, por causa da mesma falha, três grupos, os principais da coalizão de partidos que governava o país desde um ano atrás, e permitiu uma alternância no poder da qual saiu favorecido o Partido Democrata, então na oposição.

As pesquisas a boca-de-urna da emissora "TV3" sobre as eleições para governador de Bangcoc após o fechamento dos colégios eleitorais concediam a vitória a Sukhumbhand Paripatra, do Partido Democrata.

Caso seja confirmado, Paripatra, de 56 anos, ocupará a vaga que Apirak Kosayodhin deixou ao renunciar em 20 de novembro passado. EFE grc/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG