Tabaré Vázquez diz que deixou o Partido Socialista por respeito

Montevidéu, 5 dez (EFE).- O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, afirmou que deixou o Partido Socialista com tristeza e por respeito à soberania partidária, após as críticas recebidas por vetar a lei que descrimina parcialmente o aborto, segundo uma carta divulgada hoje.

EFE |

"Como militante socialista, acredito ter agido de acordo com minha paixão pela liberdade, democracia e Justiça", disse Tabaré Vázquez em sua carta de renúncia dirigida à cúpula do partido.

O Congresso do Partido Socialista do Uruguai, realizado no dia 23 de novembro, "lamentou profundamente o veto parcial interposto pelo Poder Executivo" e manifestou "sua divergência com os fundamentos do mesmo".

Além disso, solicitou a seus legisladores que "no início do próximo período legislativo apresentem novamente o Projeto de Lei", lembrou o próprio Vázquez em sua nota de renúncia.

"Não ignoro as eventuais conseqüências da minha decisão, mas acima desta circunstância amarga estão o inquebrantável afeto que nos une e o compromisso que temos com o Uruguai", acrescentou o presidente.

O secretário-geral do Partido Socialista, Eduardo Fernández, admitiu que a decisão do Chefe de Estado "tem um impacto muito forte" nos dirigentes e militantes socialistas.

"Somente o tempo nos ajudará a sair desta situação tão dolorosa e de divergências com o companheiro Tabaré", acrescentou.

Vários dirigentes assinalaram sua vontade de "conversar em particular" com Vázquez para dissuadi-lo de sua decisão, mas ao mesmo tempo admitiram que isso "será muito difícil". EFE jf/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG