Suspensão de aulas pode frear gripe H1N1, diz OMS

GENEBRA (Reuters) - O fechamento de escolas no início de um surto da gripe H1N1 em uma comunidade pode frear em grande parte a disseminação do vírus entre estudantes e suas famílias, além de dar tempo para o armazenamento de remédios, afirmou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta sexta-feira. As salas de aula tiveram seu papel na rápida transmissão da gripe H1N1 em Nova York e outras localidades. À medida que as instituições de ensino recebem seus alunos de volta às aulas no hemisfério norte, muitas estão analisando como reduzir os riscos de infecção.

Reuters |

Não há uma medida que por si só impeça totalmente a disseminação da gripe, mas certas ações podem brecá-la, afirmou o órgão da ONU a seus 193 países-membros.

A melhor solução é "fechar as escolas no início do surto, de preferência antes que um por cento da população adoeça", disse a OMS. "Em condições ideais, o fechamento das escolas pode reduzir a procura de serviços de saúde em estimados 30 a 50 por cento no auge da pandemia".

Reduzir o número de pessoas com necessidade de cuidados médicos é especialmente importante ao se combater as gripes, porque os hospitais e outras instituições de saúde correm o risco de ficar sobrecarregadas.

O vírus H1N1 já matou quase três mil pessoas após surgir em abril na América do Norte e no momento é o principal vírus de gripe circulando nos dois hemisférios, de acordo com a OMS.

"Se as escolas demorarem para fechar durante um surto em uma comunidade, a redução da transmissão provavelmente será muito limitada",disse a organização.

Estudantes, professores e funcionários devem providenciar um espaço para isolar qualquer pessoa que adoeça no recinto, acrescentou. Quando as escolas estiverem fechadas, medidas devem ser tomadas para limitar reuniões sociais de estudantes, disse a OMS, explicando: "Se os estudantes se reunirem em outro local que não a escola, vão continuar a espalhar o vírus, e as vantagens de se fechar as escolas serão reduzidas, senão anuladas".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG