Suspeitos de matar ativista italiano morrem em cerco em Gaza

Ativista Vittorio Arrigoni foi sequestrado na última quinta-feira na Faixa de Gaza e encontrado enforcado no dia seguinte

BBC Brasil |

selo

Autoridades na Faixa de Gaza disseram nesta terça-feira que dois suspeitos do assassinato do ativista italiano Vittorio Arrigoni morreram durante um cerco realizado pela polícia a uma casa em que estavam no território palestino. Um terceiro suspeito foi ferido e três outras pessoas envolvidas com os homens foram capturadas durante a operação, que ocorreu no campo de refugiados de Nuseirat, região central da Faixa de Gaza. Acredita-se que um dos dois mortos pode ter cometido suicídio.

O ativista Vittorio Arrigoni foi sequestrado na última quinta-feira na Faixa de Gaza e encontrado enforcado no dia seguinte.

O Hamas, grupo palestino que governa a Faixa de Gaza, fechou partes de Gaza antes da operação. Durante o cerco, foi ouvido um tiroteio pesado e pelo menos uma explosão.

Cinco policiais do Hamas ficaram feridos no cerco, e uma menina foi atingida pelo tiroteio.

Reuters
Membros do Hamas fazem buscas na região onde os suspeitos foram mortos durante operação

Condenação
O grupo militante islâmico Al Tawhid Wal Jihad ("Monoteísmo e Guerra Santa", em tradução livre) reivindicou a autoria do sequestro. Este grupo faz oposição ao Hamas por considerá-lo moderado.

Um vídeo divulgado no site YouTube mostrava o ativista italiano vendado e com manchas de sangue no rosto momentos depois do sequestro.

Na gravação, os rebeldes ameaçavam matar Arrigoni caso não fossem libertados alguns de seus lideres, presos pelo Hamas.

Segundo o correspondente da BBC em Ramallah Jon Donnison, o assassinato de Arrigoni, ativista pró-palestinos, foi condenado em toda a Faixa de Gaza.

Ele foi o primeiro estrangeiro que foi sequestrado em Gaza desde que o Hamas assumiu o poder na região, em 2007.

Outro estrangeiro, o repórter da BBC Alan Johnston, fora sequestrado em março de 2007, antes do Hamas assumiu o controle do território, em junho. Johnston foi libertado em 4 de julho do mesmo ano.

O sequestro e morte de Arrigoni estão sendo interpretados como um desafio à autoridade do Hamas em Gaza, disse Donnison.

Centenas de palestinos participaram de uma procissão na segunda-feira, quando o corpo de Arrigoni foi levado para fora da Faixa de Gaza a caminho da Itália, para o sepultamento.

    Leia tudo sobre: faiza de gazaisraelhamasitaliano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG