Dublin, 3 mar (EFE).- Dois suspeitos de praticar na sexta-feira o maior assalto da história da Irlanda, roubando 7,6 milhões de euros de uma filial do Bank of Ireland e fazendo a família de um funcionário como refém, foram apresentados hoje a um tribunal de Dublin, após serem presos.

Darren O'Brien, de 23 anos, foi detido enquanto tentava fugir em um veículo carregado com sacos de dinheiro no valor de 1,7 milhões de euros e é acusado de receptação de bens roubados, enquanto Mark Donoghue, de 28, é acusado de tentar lavar esse dinheiro.

Os dois suspeitos permanecerão sob custódia policial até o início do julgamento, em 10 de março.

Outros cinco detidos desde sexta-feira por suspeita de participação no assalto foram libertados hoje sem acusações, confirmou a Polícia irlandesa, que até agora só conseguiu recuperar 1,8 milhões de euros, menos de um quarto de valor roubado.

Os assaltantes obrigaram um empregado do banco, Shane Travers, a abrir as caixas-fortes enquanto seis membros da quadrilha mantinham como reféns sua companheira, o filho dela e outra mulher em uma casa em Kilteel, no condado de Kildare, sul de Dublin.

Sem as primeiras informações, Travers foi obrigado a levar diversas fotos dos reféns para convencer os colegas de trabalho dele, na filial do Bank of Ireland no centro de Dublin, a deixá-lo abrir as caixas-fortes, já que a vida daqueles corria perigo.

Ele também levava fotografias de empregados do banco e de suas casas, como medida de intimidação dos assaltantes, segundo informaram fontes da investigação. EFE ja/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.