Suspeito de atentado no voo de Natal comparece ante a justiça nesta sexta

O nigeriano de 23 anos acusado de ter tentado explodir um avião que viajava entre Amsterdã e Detroit no dia 25 de dezembro deve comparecer pela primeira vez nesta sexta-feira a um tribunal federal da cidade de Michigan.

AFP |

A audiência acontecerá às 14H00 (17H00 de Brasília), um dia depois do presidente americano, Barack Obama, ter anunciado uma série de medidas para melhorar o intercâmbio de informações dos serviços secretos e reforçar a segurança. O ataque frustrado da Al-Qaeda provocou duras críticas ao sistema de prevenção de atentados.

Umar Faruk Abdulmutallab, que anunciará se se declara culpadou ou não, foi indiciado por seis crimes, incluindo tentativa de assassinato e tentativa de uso de arma de destruição em massa, por ter tentado detonar uma bomba no voo 253 da Northwest Airlines com 290 pessoas a bordo.

Barack Obama, que assumiu a responsabilidade pelos erros dos serviços de inteligência, criticou os diferentes organismos responsáveis pela espionagem por falta de coordenação, que impediu juntar as peças de um quebra-cabeça qie poderia ter levado ao terrorista da Al-Qaeda.

No dia de Natal, o jovem nigeriano Umar Faruk Abdulmutallab tentou detonar uma substância explosiva que havia escondido na cueca momentos antes do pouso do voo 253 da Northwest em Detroit, procedente de Amsterdã.

O explosivo falhou e o nigeriano foi dominado por outros passageiros.

O atentado poderia ter sido facilmente evitado com uma análise séria dos responsáveis de Inteligência da embaixada dos Estados Unidos em Abuja, que entrevistaram o pai do terrorista, um conhecido banqueiro nigeriano, que foi à sede diplomática para alertar sobre o comportamento radical do filho.

Apesar do alerta, a informação não foi compartilhada entre os diversos serviços do governo e o nigeriano pôde ter acesso ao voo para os Estados Unidos.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) tinha informações de que um nigeriano estaria treinando no Iêmen para uma missão da Al-Qaeda, e comunicações interceptadas indicavam um possível ataque no Natal.

Faruk Abdulmutallab foi treinado para o ataque no Iêmen, onde se reuniu com o imã radical Anwar al-Aulaqi, quando estava escondido na região de Wadi Rafadh, na província de Chabwa.

O jovem terrorista também foi recebido por Chabwa Mohammad Umir, um dos líderes da rede Al-Qaeda, que morreu em um bombardeio aéreo no dia 24 de dezembro, no Iêmen.

bur-mso/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG