Suspeito de ataques em Nova York confessou o crime, diz polícia

Homem, cujo nome não foi revelado, foi detido na manhã desta terça para interrogatório por ataques contra mesquita e local hindu

iG São Paulo |

A polícia de Nova York afirmou que um homem interrogado pela suspeita de envolvimento com atentados de domingo à noite contra uma mesquita e um local de orações hindus confessou o crime nesta terça-feira.

Leia também: Mesquita e local de culto hindu são alvos de ataques em Nova York

AP
Policial Raymond Kelly fala à mídia tao lado do imã Maan Al-Sahlani após encontro com líderes religiosos em centro islâmico de Nova York

O homem, cujo nome não foi imediatamente divulgado, foi levado sob custódia. O porta-voz da polícia Paul Browne disse que ele fez declarações dizendo que tinha implicações pessoais com cada local atacado.

Os ataques com coquetéis molotov estão sendo tratados como possíveis crimes de ódio, e motivaram comentários incisivos de líderes de várias correntes religiosas que participaram mais cedo de uma coletiva na mesquita ao lado do comissário de polícia Ray Kelly e do prefeito Michael Bloomberg.

"Esse é um tipo de crime hediondo, particularmente quando as pessoas estão dormindo nas suas casas", disse Kelly. "Posso lhes dizer que não vamos deixar pedra sobre pedra. Vamos usar todos os nossos recursos para assegurar que todos os que se envolvem em atos como esse sejam presos e levados à Justiça."

A polícia deteve o homem para interrogatório na manhã desta terça-feira, com base em relatos de testemunhas e em um vídeo que mostra que ele pode ter estacionado seu carro nos arredores de pelo menos dois dos cinco locais atacados.

Uma das bombas explodiu na entrada da mesquita que funciona na Fundação Imã Al Khoei, no bairro do Queens. Cerca de 80 pessoas estavam no local na hora do ataque. Outras bombas explodiram em uma casa onde são realizados cultos hindus, uma loja de conveniência e uma casa.

A polícia investiga ainda se um quinto ataque contra uma casa no bairro de Elmont, Long Island, tem relação com o crime.

Com Reuters e AP

    Leia tudo sobre: nova yorkeuamolotovataquesmesquitahindumuçulmanointolerância

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG