Por Faisal Aziz

KARACHI (Reuters) - O paquistanês naturalizado norte-americano que confessou ter tentado explodir um veículo na Times Square, em Nova York, pode ter ligações com o Taliban paquistanês e com um grupo islâmico da Caxemira, disseram autoridades e veículos de comunicação na quinta-feira.

Por Faisal Aziz

KARACHI (Reuters) - O paquistanês naturalizado norte-americano que confessou ter tentado explodir um veículo na Times Square, em Nova York, pode ter ligações com o Taliban paquistanês e com um grupo islâmico da Caxemira, disseram autoridades e veículos de comunicação na quinta-feira.

Os Estados Unidos pediram ajuda do Paquistão para investigar o caso, afirmou o The Washington Post, e devem apresentar uma solicitação detalhada e específica de assistência até o fim da semana.

As autoridades paquistanesas disseram à Reuters que Faisal Shahzad, 30 anos, tinha proximidade com o grupo islâmico Jaish-e-Muhammad, que combate a presença indiana na Caxemira, e também com a Al Qaeda e o Taliban paquistanês.

"As pessoas que foram apanhadas de fato têm vínculos com o Jaish e também mantiveram contato com Shahzad durante suas visitas aqui", disse uma fonte paquistanesa de segurança à Reuters em Karachi.

Essa fonte se referia a Mohammad Rehan, amigo de Shahzad, preso na terça-feira ao deixar a mesquita Ba'tha, de Karachi, onde supostamente militantes se reúnem. Outras pessoas, inclusive o sogro de Shahzad, foram detidas na cidade, segundo a CNN.

Os investigadores dos EUA também estão "olhando bem" as possíveis ligações de Shahzad com o Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP), ou Movimento Taliban do Paquistão, disse uma autoridade dos EUA na quarta-feira.

Essa fonte disse que vários homens recrutados na mesquita Ba'tha foram enviados para treinamento em áreas tribais e combateram as tropas paquistanesas em recentes ofensivas contra o TTP.

Se for confirmado que o Taliban paquistanês patrocinou o frustrado atentado de sábado à noite em Nova York, como alegou o grupo horas depois do incidente, seria o seu primeiro ataque em território norte-americano.

Os Estados Unidos também pediram para interrogar os pais de Shahzad, mas o paradeiro do casal é desconhecido, segundo relato de uma fonte oficial paquistanesa ao Post.

Vizinhos disseram que a família de Shahzad deixou sua casa em Peshawar na noite de terça-feira, levando bagagens, e não foi mais vista.

(Reportagem adicional de Michelle Nichols, Edith Honan e Daniel Trotta em Nova York; Jeremy Pelofsky, Adam Entous e Andrew Quinn em Washington; e Zeeshan Haider em Mohib Banda, Paquistão)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.