Supremo italiano autoriza suprimir alimentação assistida de mulher em coma

Roma, 13 nov (EFE).- A Corte Suprema italiana autorizou hoje suprimir a alimentação e a hidratação assistida que mantém viva Eluana Englaro, de 37 anos, que está em coma irreversível desde 1992, como pediu o pai da mulher, em uma longa batalha legal.

EFE |

Esta decisão do alto tribunal, que permite pela primeira vez na Itália facilitar a morte de uma pessoa em coma irreversível, está rejeita o recurso apresentado pela Procuradoria de Milão contra a sentença que tinha autorizado o ato.

A Audiência Provincial de Milão autorizou, em julho, que fossem interrompidos os tratamentos que mantêm Eluana viva, como pede o pai da mulher, Beppino Englaro, que há mais de dez anos insiste nos tribunais para sua filha possa morrer. EFE ccg/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG