Supremo do Peru confirma condenação de Fujimori por corrupção

Justiça ignora recursos da promotoria e da acusação civil, que pediam pena maior para o ex-presidente

EFE |

A Corte Suprema de Justiça peruana confirmou nesta terça-feira a pena de seis anos de prisão imposta ao ex-presidente Alberto Fujimori pela compra irregular de meios de comunicação, propina a parlamentares e espionagem telefônica.

A Justiça peruana ignora assim os recursos interpostos tanto pela defesa de Fujimori como pela promotoria e pela acusação civil - estes dois últimos pediam uma pena maior, de oito anos de prisão. O tribunal também fixou o montante da reparação civil que o ex-governante deverá pagar ao Estado, que chega a pouco mais de 24 milhões de sóis (R$ 13,8 milhões), enquanto a soma que deverá pagar aos 28 litigantes ofendidos será de 3 milhões de sóis (R$ 1,7 milhão) no total, a serem distribuídos de forma proporcional. Na resolução, o tribunal indica que os fatos dos quais Fujimori é acusado estão "suficientemente credenciados" e são "incontestáveis".

A pena de prisão, segundo a ratificação da Corte Suprema, expira no dia 10 de fevereiro de 2013. No entanto, Fujimori não sairá da prisão nesse momento, já que também cumpre uma pena de 25 anos de prisão por crimes contra os direitos humanos.

Além desses dois processos, o ex-presidente, extraditado do Chile em 2007, também foi considerado culpado em outros dois julgamentos - a seis anos de prisão por invasão de domicílio e a sete anos e seis meses por pagar ilegalmente US$ 15 milhões (R$ 23,7 milhões) a seu ex-assessor Vladimiro Montesinos.

    Leia tudo sobre: perujustiçaex-presidentefujimori

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG