Suprema Corte dos EUA rejeita acusações de tortura em Abu Ghraib

Juízes decidiram não abrir processo contra funcionários de empresas terceirizadas que teriam, supostamente, torturado detentos em prisão iraquiana

iG São Paulo |

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou nesta segunda-feira as acusações apresentadas por 250 iraquianos contra empresas privadas terceirizadas no Iraque cujos empregados estiveram supostamente envolvidos nas torturas na prisão de Abu Ghraib.

Em uma decisão divulgada sem justificativas, o Supremo ratificou a rejeição da abertura de processo contra as empresas CACI International e Titan Corporation, cujos funcionários trabalharam como interrogadores e tradutores no Iraque.

Os abusos cometidos em Abu Ghraib vieram à tona em 2004, quando foram divulgadas fotografias que documentavam a humilhação dos presos e a participação de soldados americanos.

Getty Images
Oficial iraquiano patrulha prisão de Abu Ghraib, em Bagdá, Iraque (foto de arquivo)
As investigações realizadas pelo Pentágono concluíram que os abusos ocorreram no fim de 2003, quando trabalhavam em Abu Ghraib interrogadores "cedidos" pela CACI Internacional e tradutores da L-3 Communications, uma subsidiária da Titan Corporation.

Além disso, os comandantes militares americanos julgaram que os abusos foram responsabilidade de alguns soldados e oficiais, e que não responderam a uma política deliberada das Forças Armadas dos Estados Unidos.

Processo

O processo havia sido iniciado em 2004 por iraquianos que afirmaram que eles próprios ou seus parentes tinham sofrido torturas ou maus-tratos durante o período que passaram detidos em Abu Ghraib, uma velha cadeia transformada em prisão militar pelas forças americanas.

Os magistrados do Supremo americano decidiram nesta segunda-feira não atender à apelação da decisão de um tribunal federal que, dividido, rejeitou a demanda com o argumento de que as empresas tinham imunidade como terceirizadas do governo americano.

Os advogados sustentaram que as empresas não estavam amparadas por imunidade alguma, já que as supostas torturas na prisão estavam fora dos termos do trabalho para o qual tinham sido contratados. Em sua apelação à Suprema Corte, eles disseram também que as vítimas podem levar adiante as causas legais contra as empresas e indivíduos privados por sua responsabilidade na tortura sob a lei internacional.

O governo do presidente Barack Obama se colocou ao lado das empresas no caso e avaliou que a apelação deveria ser negada.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: iraqueeuaabu ghraibprisãotorturasuprema corte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG