A Suprema Corte dos Estados Unidos ouviu, nesta segunda-feira, as alegações de três fumantes que pretendem processar a empresa Altria por tê-los enganado, ao classificar seus cigarros como light, quando esses, na verdade, não eram menos nocivos para sua saúde do que os demais no mercado.

Na audiência, os nove juízes interrogaram os advogados sobre o caso, que pode ter importantes conseqüências financeiras para as companhias, processadas por vários ex-fumantes, com base na jurisprudência estabelecida.

Os juízes censuraram o Estado e sua Comissão Federal do Comércio (FTC, sigla em inglês) por estarem conscientes, há pelo menos dois anos, de que os cigarros "light" são tão perigosos para a saúde quanto os outros e por não terem agido em seguida.

"Induziram ao erro todos aqueles que compram esses cigarros há muito tempo", declarou o juiz Samuel Alito ao advogado representante do governo de George W. Bush e da FTC, Douglas Hallward-Driemeier, que tentava apoiar a posição dos três fumantes contra a Altria.

Apesar dessa polêmica, o caso está centrado, de fato, na possibilidade de as companhias de cigarro usarem todas as técnicas de marketing para promover seus produtos.

lum/tt/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.