Supostos terroristas permanecerão detidos nos EUA à espera de julgamento

Washington, 5 ago (EFE).- Seis supostos terroristas permanecerão na prisão à espera de julgamento depois de um juiz federal do estado americano da Carolina do Norte negar o pagamento de fiança e dizer que poderiam fugir do país aproveitando seus contatos internacionais.

EFE |

O magistrado William A. Webb apontou que, caso os seis homens sejam declarados culpados, podem ser condenados à prisão perpétua, o que contribuiria para uma eventual tentativa de fuga.

"Por enquanto, as provas incluem um arsenal de armas e de 27 mil balas", disse Webb, ao destacar que "se trata de um caso de conspiração para cometer atos de terrorismo".

O caso de um sétimo suspeito, Anes Subasic, de 33 anos, foi adiado depois da retirada de sua advogada do processo e da destituição de seu intérprete, que já o conhecia antes do julgamento.

Os outros acusados são Daniel Boyd, de 39 anos; seus filhos Zakariya Boyd, de 20, e Dylan Boyd, de 22; Omar Hassan, de 22; Hysen Sherifi, de 24; e Ziyad Yaghi, de 21.

Os advogados de defesa passaram a manhã argumentando que seus clientes tinham vínculos duvidosos com Daniel Boyd, acusado de ser o líder da conspiração.

A Procuradoria, que tem entre suas provas gravações secretas de conversas de Daniel Boyd, enfatizou o fato de ele ter expressado seu desejo de matar no exterior para cumprir os objetivos de um muçulmano extremista.

Boyd e os outros detidos foram acusados na semana passada de conspirar para cometer homicídios e sequestros em um país não especificado. As autoridades americanas buscam um oitavo suspeito.

Ontem, no primeiro dia da audiência sobre a detenção, a Procuradoria apresentou as gravações de conversas nas quais um homem identificado como Daniel Boyd afirma que "ama a jihad" (guerra santa), além de demonstrar simpatia pela "honra do martírio" e repúdio às Forças Armadas dos EUA. EFE jab/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG