KOLKATA, Índia (Reuters) - Supostos maoístas mataram sete pessoas, incluindo dois policiais, em dois Estados no leste da Índia, informou a polícia na terça-feira. Cinco moradores de um vilarejo que voltavam do trabalho na segunda-feira foram sequestrados e mortos a tiros em uma floresta no distrito de Gumla, a 170km de Ranchi, capital do Estado de Jharkhand, segundo a polícia, que acusou supostos membros de um pequeno grupo rebelde maoísta.

Perto da fronteira com o Estado de Bengal do oeste, os supostos rebeldes fizeram uma emboscada para uma patrulha policial que estava a caminho de um centro comunitário na segunda-feira. Dois policiais foram mortos e tiveram suas armas roubadas, segundo a polícia.

"Os rebeldes conseguiram escapar para o Estado de Jharkhand depois do ataque", disse à Reuters Kuldeep Singh, autoridade policial, por telefone.

A emboscada aconteceu perto de um acampamento rebelde. Os rebeldes maoístas dizem que estão lutando pelos direitos dos fazendeiros pobres e dos trabalhadores sem terra. O primeiro-ministro Manmohan Singh descreve a insurgência como uma das ameaças mais graves à segurança interna da Índia.

Milhares de pessoas foram mortas no levante, que começou no fim dos anos 1960.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.