Suposto terrorista argelino paga fiança e é liberado no R.Unido

Londres, 3 jul (EFE).- Um argelino suspeito de ter vínculos diretos com o líder da rede terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden, foi libertado mediante pagamento de fiança no Reino Unido, informou hoje um tribunal especial britânico de imigração.

EFE |

O suposto terrorista, de 45 anos e só identificado publicamente como "U" por razões legais, estava há mais de sete anos preso neste país à espera da deportação, indicou a chamada Comissão Especial de Apelações para Imigração (Siac).

O argelino foi libertado duas semanas depois que o clérigo radical Abu Qatada, considerado o "embaixador espiritual" de Bin Laden na Europa e detido no Reino Unido desde 2002, foi solto depois de pagar uma fiança, apesar de submetido a uma prisão domiciliar de 22 horas ao dia.

"U", que deixou a prisão de segurança máxima de Long Lartin, no centro da Inglaterra e onde também esteve recluso Qatada, foi detido em 2001 no aeroporto de Heathrow, Londres, quando pegaria um avião para a Arábia Saudita com passaporte falso.

O suspeito foi libertado após ganhar um recurso de apelação contra a deportação por parte da Siac, apesar de o caso ter sido levado aos juízes da Câmara dos Lordes, máxima instância judicial do Reino Unido.

Embora a Siac não tenha divulgado as condições da liberdade de "U" enquanto os juízes lordes se pronunciam sobre sua situação, o Ministério do Interior afirmou que solicitou "condições muito estritas".

"Nossa postura é a de que aqueles indivíduos que não são nacionais britânicos e representam uma ameaça para a segurança nacional do Reino Unido devem ser deportados", comentou um porta-voz do Ministério do Interior britânico.

Segundo documentação fornecida ao tribunal especial, o Governo britânico sustenta que, desde 1996, "U" foi "um destacado organizador e facilitador de atividades terroristas dirigidas principalmente a alvos estrangeiros".

Em maio do ano passado, a Siac disse que havia "motivos críveis" para acreditar na acusação do Governo de que o argelino tinha "vínculos diretos com Osama bin Laden" e ocupava uma "posição de alta categoria" em campos de treinamento de extremistas no Afeganistão.

As autoridades também vinculam "U" com seu compatriota Ahmed Ressam, de quem foi obtido o número de telefone do acusado quando foi detido em 1999 enquanto tentava entrar nos Estados Unidos a partir do Canadá com 60 quilos de explosivos.

Ressam foi condenado a 22 anos de prisão por um suposto complô para atentar contra o aeroporto de Los Angeles.

De fato, o Governo dos EUA tentou extraditar "U", apesar de ter sido obrigado a desistir depois que Ressam, principal testemunha de acusação, se recusou a colaborar com as autoridades desse país.

O Governo britânico também relaciona "U" com uma conspiração para cometer um atentado em 2000 contra um mercado na cidade francesa de Estrasburgo. EFE pa/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG