Suposto plano do serviço secreto italiano contra o Irã é investigado

Roma, 11 jun (EFE).- A Promotoria de Roma abriu hoje um expediente para investigar o envolvimento do serviço secreto militar italiano em 2001 em um suposto complô para derrubar o regime do Irã em troca de gás e petróleo, informaram fontes judiciais.

EFE |

O expediente, segundo as mesmas fontes citadas pela imprensa local, foi aberto pelo promotor adjunto Franco Tonta, depois da publicação no diário "La Repubblica" de um relatório da comissão do Congresso dos Estados Unidos sobre as atividades do serviço secreto.

No relatório americano, segundo o diário, afirma-se que entre 10 e 13 de dezembro de 2001 se reuniram em Roma, em um apartamento do serviço secreto italiano, funcionários do Departamento de Defesa dos EUA e membros do exílio iraniano.

O plano para derrubar o regime iraniano contemplava, segundo o relatório, o colapso do trânsito de carros e pessoas em Teerã mediante uma série de bloqueios periféricos de acesso à cidade e outras "ações destrutivas".

O relatório acrescenta, ainda segundo o "La Repubblica", que o financiamento por parte do Governo italiano do plano tinha uma contrapartida: em um documento de 2002 faz-se referência a "futuros contratos que assegurem a venda do petróleo e de gás (à Itália) no caso de uma mudança de regime".

O jornal afirma que "aparentemente" ninguém em Washington "aprofundou" as "reais intenções" do Governo italiano, do então premiê Silvio Berlusconi. EFE jl/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG