Suposto líder da Al-Qaeda é morto em ataque na Somália, dizem EUA

Forças de segurança dos Estados Unidos disseram à BBC nesta segunda-feira acreditar que um suposto líder ligado à rede extremista islâmica Al-Qaeda foi morto em um ataque de forças especiais americanas no sul da Somália. O suspeito, Saleh Ali Saleh Nabhan, é um queniano procurado por conexão com um ataque contra um hotel e um ataque frustrado com mísseis contra um avião israelense, ambos realizados em Mombassa, no Quênia, em 2002.

BBC Brasil |

Nabhan pertence à milícia islâmica Al-Shabab, supostamente ligada à Al-Qaeda, e está na lista de principais procurados pelo FBI (a polícia federal americana).

Segundo fontes em Washington, Nabhan teria sido morto em um ataque de helicóptero contra o veículo em que viajava, na cidade costeira de Barawe, ao sul da capital somali, Mogadíscio.

Ataque
Integrantes da Al-Shabab haviam dito à BBC que helicópteros estrangeiros haviam aberto fogo contra um carro em que viajavam alguns de seus membros.

Segundo relatos iniciais, as tropas responsáveis pelo ataque usavam uniformes com insígnia da França. No entanto, um porta-voz militar da França negou que as forças de seu país estivessem envolvidas no ataque.

Segundo testemunhas, soldados levaram dois homens, e dois corpos foram deixados na estrada depois do ataque.

Nos últimos anos, forças americanas têm realizado ataques aéreos contra grupos islâmicos na Somália acusados de ligações com a Al-Qaeda.

Ajuda alimentar
A Somália não tem um governo central desde 1991.

Facções islâmicas rivais lutam contra forças leais ao governo apoiado pelas Nações Unidas, que controla apenas pequenas áreas da capital.

Também nesta segunda-feira, um porta-voz do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas disse que a organização vai fechar 13 centros de alimentação para mães e crianças na Somália porque o programa recebeu apenas 41% dos fundos necessários para manter as operações.

A ONU estima que metade da população da Somália depende de ajuda alimentar, muitos deles refugiados do conflito civil e da seca que afetam a região.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG