Suposto instigador de sequestro e morte de governador na Colômbia é preso

Bogotá, 6 jan (EFE).- O Exército e a Promotoria colombiana detiveram em Medellín um suposto guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) quem seria o instigador do sequestro e da morte do governador do Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, informaram hoje as autoridades.

EFE |

Fontes da 4ª Brigada do Exército em Medellín e da Promotoria em Bogotá identificaram o suposto rebelde das Farc como Henry López Sarmiento, conhecido como "El Paisa" ou "Ricardo".

A prisão dele ocorreu na segunda-feira passada.

"De acordo com o "Ricardo", membro da coluna móvel Teófilo Forero das Farc, desenhou, supostamente, a maquete da residência do governador, que foi sequestrado em 21 de dezembro de 2009 por um comando dessa guerrilha, que posteriormente o degolou", assinalou a Promotoria.

Segundo a informação do Exército, López Sarmiento "estava visitando a sua família em Medellín e aproveitava as festividades de Ano Novo para coordenar a realização de um sequestro com fins extorsivos, quando foi surpreendido".

Um comunicado da 4ª Brigada acrescenta que o prisioneiro estava encarregado nessa facção rebelde "das funções de finanças, logística, organização de massas e liderar de comissão de milícias" em uma vasta zona do Caquetá.

Em Medellín, um juiz ordenou sua prisão, enquanto a Promotoria acusou em audiência pública acusações por terrorismo, extorsão, sequestro e rebelião.

Conhecido como "Ricardo" é irmão de "Ancízar", suposto segundo no comando da "coluna móvel Teófilo Forero" uma das facções mais ativas da organização guerrilheira colombiana.

As Farc aceitaram a responsabilidade na morte do governador Cuéllar em comunicado divulgado na terça-feira no qual assinalaram que este foi sequestrado para fazer um "julgamento político" por suposta corrupção.

Assim o expressou o chamado "Bloco Sul" da guerrilha em comunicado em 24 de dezembro passado e publicado nesta terça-feira na página eletrônica da Agência de Notícias Nova Colômbia (Anncol), que normalmente dá a conhecer entrevistas, comunicados e proclamas dos rebeldes.

"O objetivo da retenção não era justiçá-lo, nem fazer exigências econômicas, mas realizar um julgamento político por corrupto, por ter transformado o dolo e o prevaricado em pedra angular de sua administração", detalhou o escrito. EFE rrm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG