Considerado o segundo maior edifício do mundo depois do Pentágono e de grande beleza arquitetônica, o Palácio do Parlamento de Bucareste, suntuosa obra do ditador romeno Nicolae Ceausescu, recebe a partir desta quarta-feira os líderes da Otan em sua terceira reunião de cúpula em um país do antigo bloco comunista.

Com uma superfície total de 350.000 metros quadrados, este impressionante palácio mede 270 metros de comprimento por 240 metros de largura e 86 metros de altura, possuindo mais de 1.100 salas distribuídas em 12 andares e quatro subsolos, incluindo um enorme bunker anti-nuclear.

Cerca de 20.000 operários e 700 arquitetos começaram a trabalhar em 1984 para tornar realidade a idéia de Ceausescu (1918-1989), batizada com o nome de Casa do Povo (Casa Poporului).

O edifício ainda não havia sido concluído quando em 1989 o regime do ditador comunista foi derrubado, culminando com a condenação do líder e de sua mulher Elena à morte por uma corte marcial .

Rebatizado de Palácio do Parlamento pelo governo romeno a partir de 1989, desde 1994 abriga a Câmara dos Deputados da Romênia e desde 2004, o Senado.

É utilizado também como sede de conferências e encontros internacionais, embora a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) seja sem dúvida o mais importante evento já organizado até o momento em seus salões.

Dois museus também têm sua sede no Palácio do Parlamento: o Museu Nacional de Arte Contemporânea e o Museu e Parque do Totalitarismo e do Realismo Socialista.

O edifício também abriga a Iniciativa de Cooperação do Sudeste Europeu (SECI), uma organização centrada na cooperação regional dos governos contra o crime internacional.

Hoje em dia, os turistas podem observar em uma visita guiada o esplendor de alguns de seus salões decorados com mármore, tapetes, mosaicos e candelabros.

Um de seus objetos mais apreciados é a aranha de cristal da Sala de Direitos Humanos, com um peso de 2,5 toneladas.

Se a magnitude e beleza do edifício são indiscutíveis, para os romenos a construção evoca sensações contraditórias, já que muitos a associam aos terríveis tempos da ditadura de Ceseauscu.

Por ocasião da reunião de cúpula da aliança atlântica que será realizada até a próxima sexta-feira, o governo romeno montou um grande esquema de segurança em torno do edifício, em Bucareste e em outros pontos sensíveis do país que contará com 23.00 homens, explicou o ministro romeno do Interior, Cristian David.

Isto sem contar com os especialistas dos Serviços de Guarda e Proteção (SPP) e de Inteligência (SRI), e os 4.000 militares encarregados de "garantir a vigilância aérea e naval em cooperação com outros países membros da Otan", afirmou o ministro da Defesa, Teodor Melescanu.

A aviação romena reforçou sua vigilância do espaço aéreo, apoiada por caças americanos F-15 e F-16 de bases européias, segundo o site da internet da US Air Force.

bur-mar/dm/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.