Suíço que chantageou herdeira da BMW pega 6 anos de prisão

Berlim, 9 mar (EFE).- O tribunal de Munique, na Alemanha, condenou hoje a seis anos de prisão Helg Sgarbi, suíço de 44 anos que seduziu e chantageou a multimilionária Susanne Klatten, mulher mais rica do país, herdeira do império Quandt e maior acionista da BMW, assim como outras três mulheres ricas.

EFE |

O juiz responsável pelo processo fechou com esta sentença o julgamento, aberto hoje mesmo, com uma ampla confissão do acusado, que ainda pediu desculpas às suas vítimas pelos danos causados.

O caso foi revelado pela própria Susanne, de 46 anos, casada e mãe de três filhos, que denunciou seu ex-amante, farta de suas pressões e diante do fato de que ele cada vez lhe exigia maiores quantidades de dinheiro.

No início da sessão, o tribunal atendeu ao pedido de Sgarbi de não revelar o nome das outras vítimas, a fim de maiores danos pessoais a elas.

Sgarbi se confessou culpado das acusações pela promotoria, que pediu nove anos de prisão.

No entanto, ele não deu mais detalhes sobre o paradeiro do dinheiro fruto de suas chantagens nem sobre seus supostos cúmplices, entre os quais estaria o chefe de uma seita radicada na Itália.

Susanne controla, junto com seu irmão Stefan e sua mãe, Johanna, 49% das ações da montadora de automóveis BMW, sendo herdeira de um dos maiores patrimônios do país.

Sgarbi lhe exigiu grandes somas de dinheiro, que ela pagou no início, em troca de seu silêncio.

Porém, ele continuou com as chantagens, com cenas íntimas gravadas em vídeo, sob o pretexto de que precisava do dinheiro para tratar de um filho vítima de um acidente.

O "gigolô" conheceu Susanne, como suas outras vítimas, em um hotel de luxo e sua relação aconteceu entre balneários e outros estabelecimentos de luxo. EFE gc/jp/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG