Suicida que matou agentes da CIA no Afeganistão supervisionava site islâmico

Cairo, 14 jan (EFE).- O terrorista jordaniano Hamam Khalil al-Balawi, que matou sete agentes da CIA (agência de inteligência americana) no Afeganistão em 30 de dezembro, foi supervisor de um conhecido site islâmico, informaram hoje vários fóruns frequentados por grupos radicais islâmicos.

EFE |

Segundo um comunicado da administração do fórum islâmico Al-Hesbah, Balawi supervisionava o site e também participava dele com os nomes de "Abu Deyana al-Jarasani" e "Malek al-Ashdiay".

O fórum está atualmente fechado, mas o comunicado foi divulgado em outros sites que servem para divulgar comunicados dos grupos radicais islâmicos e trocar mensagens entre seus simpatizantes.

Na nota, a rede do Al-Hesbah qualifica Balawi como "um guerreiro com o espírito, a caneta e a língua, que conseguiu dispersar os grupos de inteligência do mal e da escuridão", em referência aos serviços da CIA.

Entre as características de Balawi, o comunicado destaca seu conhecimento profundo da psicologia, já que analisava bem as características das pessoas.

Em 30 de dezembro, Balawi detonou uma bomba na base Chapman da CIA, na província afegã de Khost, e matou sete trabalhadores da agência americana e um agente dos serviços de inteligência jordanianos.

No último dia 9, o terrorista suicida disse, em um vídeo gravado pouco antes do atentado e divulgado pela rede de televisão "Al Jazira", que seu objetivo era vingar a morte do líder dos talibãs paquistaneses, Baitullah Mehsud, que morreu em agosto do ano passado em um ataque de um avião não-tripulado americano. EFE hh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG