Copenhague, 28 jun (EFE) - Um sueco e um dinamarquês enviados à Somália pela Agência de Serviços de Resgate Sueca para participar de uma missão da ONU foram seqüestrados hoje em Hodur, ao noroeste de Mogadíscio, confirmou a organização sueca.

A agência sueca informou que ainda não foram esclarecidas as circunstâncias do seqüestro.

Segundo a Agência de Segurança das Nações Unidas (UNDSS), os dois indivíduos, que trabalhavam desde agosto em tarefas de limpeza de minas, foram capturados por milicianos islâmicos e estão bem.

A agência sueca avalia a possibilidade de enviar mais pessoal à zona para investigar os fatos.

Desde 1991, quando foi derrubado o ditador Mohammed Siad Barre, a Somália vive sem que um Governo central tenha conseguido impor a autoridade no país, à mercê das ações armadas de milicianos irregulares ou de lutas entre os "senhores da guerra".

Os seqüestros de cidadãos estrangeiros, especialmente voluntários, são freqüentes. EFE alc/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.