Suécia tem '98% de certeza' sobre identidade de autor de atentado

Principal suspeito é Taimour Abdulwahab al-Abdaly, 29 anos, sueco de origem iraquiana que viveu na Grã-Bretanha

iG São Paulo |

Autoridades do governo da Suécia afirmaram nesta segunda-feira estar "98% certos" de que o autor do atentado a bomba em Estocolmo, realizado no sábado, é um sueco de origem iraquiana de 28 anos que viveu durante anos na Grã-Bretanha. Acredita-se que explodiu a si mesmo após tentar detonar uma bomba em uma rua movimentada da capital sueca. Duas pessoas ficaram feridas pela explosão.

O suspeito é Taimour Abdulwahab al-Abdaly, de 29 anos, que viveu na cidade de Luton, em Bedfordshire. Um perfil de Abdaly em um site de relacionamentos amorosos muçulmano o descreve como formado em fisioterapia pela Universidade de Berdfordshire. A instituição não comentou a informação.

AFP
Taimour Abdulwahab al-Abdaly, em foto publicada em site de relacionamentos

Abdaly disse ter nascido em Bagdá, no Iraque, e se mudado para a Suécia em 1992, antes de chegar à Grã-Bretanha, para estudar, em 2001. Ele disse ter se casado em 2004 e ter duas filhas pequenas. "Quero me casar de novo, e gostaria de ter uma grande família. Minha mulher concordou com isso", disse.

Buscas

Na noite de domingo, a casa onde Adbaly vivia foi revistada pela polícia britânica. Segundo a polícia, um mandado de busca foi executado no imóvel no condado de Bedfordshire, no centro-sul da Grã-Bretanha, de acordo com o Ato sobre Terrorismo, de 2000.

A polícia britânica diz que nenhuma prisão foi realizada e que nenhum material perigoso foi encontrado no imóvel revistado, mas as buscas devem continuar nesta segunda-feira. "Continuamos em contato próximo com as autoridades suecas. Não seria apropriado comentar sobre a investigação em andamento neste momento", afirmou um porta-voz do Ministério do Interior britânico.

Segundo o analista de segurança da BBC Gordon Corera, os serviços de segurança britânicos devem investigar quanto tempo Abdaly passou no país e a importância desse período para seu ato. Eles devem também tentar identificar possíveis conexões com outros indivíduos na Grã-Bretanha.

'Sociedade aberta'

O primeiro-ministro da Suécia, Fredrik Reinfeldt, disse que os ataques do sábado são inaceitáveis na "sociedade aberta" sueca, descrita por ele como uma democracia que respeita diferentes culturas.

A polícia sueca investiga uma série de e-mails enviados pouco antes das explosões com ameaças de ataques por causa da participação sueca na coalizão militar internacional no Afeganistão. A Suécia mantém 500 soldados no país.

Os e-mails, com arquivos sonoros em MP3 em sueco e em árabe, foram enviados ao serviço de segurança sueco e à agência de notícias TT. Eles pediam que os mujahideen (combatentes islâmicos) se levantassem na Suécia e na Europa e prometiam que suecos "morrerão como nossos irmãos e irmãs".

Eles também atacaram o país por caricaturas do profeta Maomé desenhadas pelo artista sueco Lars Vilks. Se a natureza do ataque for confirmada, este terá sido o primeiro atentado suicida verificado na Suécia.

Com BBC

    Leia tudo sobre: suéciaataqueTaimour Abdulwahab al-Abdalyterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG