encontradas em um campo da guerrilha colombiana das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)." / encontradas em um campo da guerrilha colombiana das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)." /

Suécia pede explicações à Venezuela sobre armas suecas encontradas com Farc

ESTOCOLMO - A Suécia pediu explicações à Venezuela sobre as armas suecas vendidas a Caracas e http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/07/27/colombia+encontra+armas+suecas+vendidas+a+venezuela+nas+maos+das+farc+7527945.html target=_topencontradas em um campo da guerrilha colombiana das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Redação com agências internacionais |

"Está confirmado que uma pequena quantidade de armas fabricadas na Suécia foi encontrada em um acampamento das Farc. Pedimos a dirigentes do governo da Venezuela explicações sobre como estes equipamentos chegaram à Colômbia", declarou Jens Eriksson, conselheiro político do ministério do Comércio. Segundo ele, as armas encontradas foram vendidas legalmente à Venezuela.

A revista britânica especializada em defesa Jane's revelou que o exército colombiano apreendeu das Farc vários lança-foguetes antitanque AT4 fabricados pela sueca Saab . A Saab lamentou que as armas tenham parado nas mãos das Farc.


Foto de divulgação da Saab mostra exemplo do
armamento que foi apreendido com as Farc

"É sempre desagradável quando isso acontece", declarou o diretor-geral da filial da Saab que fabrica os AT4, Saab Bofors Dynamics, sem querer se pronunciar especificamente sobre esta apreensão envolvendo as Farc.

"Todos os países para os quais exportamos devem assinar um certificado de destinatário final, caso contrário a exportação não é autorizada. Infelizmente, às vezes, uma arma é encontrada onde não deveria, mas é raro", explicou Tomas Samuelsson em um e-mail à AFP.

No último domingo o presidente Alvaro Uribe denunciou que os guerrilheiros esquerdistas compraram lança-foguetes no exterior e que seu governo apresentou queixa através dos canais diplomáticos dos respectivos países, sem mencionar quais.

Venezuela rejeita acusação

Em Caracas, o ministro venezuelano do Interior, Tareck El Aissami, rejeitou as denúncias de que o lote de armas vendido pela Suécia à Venezuela tivesse sido encontrado em um acampamento das Farc, destacando que está é uma "nova investida" contra seu país.

"Isto me parece uma nova investida contra nosso governo fundamentada em mentiras", disse El Aissami em entrevista à imprensa.

No entanto, o ministro destacou que "caberá ao presidente (Hugo) Chávez, através da chancelaria, responder aos pedidos (de informação) feitos pelo governo colombiano" a este respeito. As declarações do ministro são a primeira resposta da Venezuela neste caso.

Tensão na América do Sul

Este caso polêmico agrava as já tensas relações entre a Colômbia e a Venezuela, quase um ano e meio após uma crise diplomática que parecia insuperável, envolvendo as Farc.

Em 1º de março de 2008, o exército colombiano bombardeou as Farc em território equatoriano o que foi motivo para o rompimento de relações diplomáticas, desta vez, entre os dois países.

A Colômbia e a Venezuela conseguiram amenizar a situação durante o encontro bilateral entre Alvaro Uribe e Hugo Chavez em julho de 2008, seguido de dois outros encontros desde então.

A tensão voltou após o anúncio por Bogotá de um acordo de princípio americano-colombiano que permite ao exército americano fazer uso de pelo menos três bases na Colômbia, por operações antidrogas.

Hugo Chavez acusou imediatamente Washington te tentar invadir seu país e anunciou que "revisaria" suas relações com a Colômbia.

Leia também:

Leia mais sobre Farc

    Leia tudo sobre: farcsuéciavenezuela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG